Category: Segurança

Mulher é espancada pelo marido durante festa à beira-mar na praia de Jacumã, no litoral norte potiguar

Um homem espancou a esposa durante uma festa que acontecia em uma casa à beira-mar na praia de Jacumã, município de Ceará-Mirim, no litoral norte potiguar, na noite desse domingo (1). De acordo com noticiário do portal G1-RN, as agressões aconteceram na frente de todos os presentes na festa. A Polícia Militar foi acionada. Quando os policiais chegaram ao local o homem já havia fugido. Ninguém informou como a briga começou.

Segundo relato da PM, a mulher estava bastante machucada e foi levada por amigos para o Hospital de Ceará-Mirim. Ela não quis prestar queixa contra o marido.

A Polícia Militar ainda fez buscas na região para tentar encontrar o homem, mas o agressor não foi localizado.

BG

Antes de execução na fronteira Brasil/Paraguai, casal trocou declarações de amor

Casal comemorava o aniversário de 22 anos de Anabel quando foram executados
Reprodução/redes sociais
Casal comemorava o aniversário de 22 anos de Anabel quando foram executados

Horas antes de serem executados, Mateo Martínez Armoa, 21, e Anabel Centurion Mancuelo, 22, usaram as redes sociais para fazer declarações de amor um ao outro. O casal paraguaio comemoravam o aniversário dela em um bar da cidade Pedro Juan Caballero, vizinha de Ponta Porã (MS), quando foram abordados e assassinados, com pelo menos 36 tiros, na última segunda-feira, 26 .

No Facebook, Anabel postou uma foto com o namorado e escreveu a legenda: “Meu amor ❤️”. Já Mateo, que usava o nome “Matheus Elefante” nas redes, fez um texto mais longo, se declarando. Ele desejou feliz aniversário à namorada e que deus concedesse a eles muitos anos de vida. Veja abaixo.

Publicação de Mateo nas redes sociais
Reprodução/redes sociais
Publicação de Mateo nas redes sociais

Os assassinos do casal deixaram um bilhete preso na cabeça de Mateo , após assassiná-lo, com o recado, em espanhol: “Favor não roubar. Assinado, Justiceiros da Fronteira”.

A polícia do Paraguai informa que está investigando se Mateo teve participação em roubos e outros delitos. O jovem tinha antecedentes criminais. Não há informação sobre o possível envolvimento de Anabel em crimes.

IG

Casal suspeito de assaltos a cinco creches é preso em Natal

Creches de Natal e Parnamirim foram assaltadas por casais de criminosos. — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi
Creches de Natal e Parnamirim foram assaltadas por casais de criminosos. — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Um homem e uma mulher suspeitos de fazerem parte de uma quadrilha que teria realizado pelo menos cinco assaltos em creches particulares foram presos nesta quarta-feira (28). Outro casal de suspeitos conseguiu fugir.

Os crimes ocorreram no conjunto Pirangi, na Zona Sul de Natal, e nos bairros Nova Parnamirim e Cidade Verde, em Parnamirim.

Segundo a polícia, o modo de agir era sempre o mesmo: os casais de criminosos entravam na escola fingindo que iam fazer matrícula dos filhos e anunciavam o assalto.

A funcionária de uma das escolas, que tem 30 anos e pediu para não ser identificada, contou que todos estavam armados e chegaram quando os pais foram buscar os alunos, no fim da tarde.

De acordo com ela, os criminosos não abordaram as crianças e escondiam as armas ao passar perto delas, mas levaram vários pertences da escola.

G1RN

Homem que assumiu culpa por atear fogo a estátua de Borba Gato é preso junto com a esposa

Foto: GABRIEL SCHLICKMANN / ISHOOT / ESTADÃO CONTEÚDO – 24.07.2021

Um homem suspeito de atear fogo à estátua do bandeirante Borba Gato no último sábado (24) foi preso temporariamente em São Paulo no início da tarde desta quarta-feira (28).

Em publicação nas redes sociais, a defesa informa que Paulo Lima se apresentou espontanamente ao 11º DP (Santo Amaro), na zona sul da capital, por volta das 13h e, em seguida, sua prisão temporária foi decretada.

O mandado de busca e apreensão para a residência de Paulo foi expedido para o local errado e ele apresentou o endereço correto, autorizando a entrada da polícia.

A mulher de Galo, Gessica, que foi à delegacia com o marido para colaborar com as investigações também teve prisão temporária decretada. De acordo com a defesa, Gessica não participou do ato e tem uma filha de 3 anos com Paulo.

Sobre a motivação do protesto, Paulo afirmou que se tratou de abrir o debate sobre a presença do monumento na cidade. “Para aqueles que dizem que a gente precisa ir por meios democráticos, o objetivo do ato foi abrir o debate. Agora, as pessoas decidem se elas querem uma estátua de 13 metros de altura de um genocida e abusador de mulheres”, comentou.

A defesa de Paulo informou ainda que, além dele, Danilo Oliveira (Biu), compareceu de forma espontânea para auxiliar nas investigações e assumir a participação no ato.

R7/BG

COVARDIA: Atleta paralímpico, noiva e sogro são agredidos em pátio do Detran na Zona Sul de SP

Atleta Alan Fonteles é agredido em pátio do Detran na Zona Sul da capital paulista — Foto: Reprodução/TV Globo
Atleta Alan Fonteles é agredido em pátio do Detran na Zona Sul da capital paulista — Foto: Reprodução/TV Globo

O atleta paralímpico Alan Fonteles, a noiva e o sogro denunciaram que foram agredidos por um funcionário de um pátio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) na Vila Carioca, Zona Sul de São Paulo, na terça-feira (27).

O veículo de Alan, que é corredor, tinha sido apreendido dias antes em uma blitz por causa dos pneus carecas. Ele foi ao Detran para retirar o carro.

Acompanhado da noiva e do sogro, Alan pagou as taxas obrigatórias e recebeu o carro de volta, mas notou que a lataria estava amassada.

“Fui retirar o carro hoje e tinha um amassado que não constava no carro”, conta.

Alan reclamou do amassado com o motorista do guincho que trouxe o carro dele. Segundo o atleta, um outro funcionário, que acompanhava a liberação do veículo, se irritou com a queixa. Foi quando começou a confusão.

O funcionário teria ameaçado Alan. A noiva e o sogro recriminaram o comportamento e também sofreram agressões.

“Ele atingiu meu sogro, atingiu minha noiva e me atingiu. Ele bateu em nós três… Soco, chute, empurrão”.

Natalia, a noiva, diz que chegou a ser atingida por um murro na boca.

“Eu estou muito ofendida, chego a me emocionar porque eu tenho três irmãos homens, meu pai e eles nunca nem levantaram a voz pra mim e vem um cara me batendo que nem me conhece. Dói muito”.

A polícia levou todo mundo para a delegacia.

O funcionário, conhecido como Marco Antônio, é policial militar aposentado e coordena a liberação dos veículos no pátio da unidade do Detran na Vila Carioca. Ele não quis gravar entrevista.

Segundo a família, Marco Antônio, na confusão, chegou a apontar uma arma. “Ele pegou a apontou para a gente pra que a gente se retirasse de dentro do pátio”, conta Alan.

Alan Fonteles faz parte da equipe paralímpica de atletismo do Brasil. Ele já participou de três olimpíadas e ganhou três medalhas, duas de prata e uma de ouro, correndo os cem metros rasos.

Ele embarca para Tóquio no dia 6 de agosto para a quarta competição olímpica na carreira, mas depois do que aconteceu, teme pelo seu desempenho.

“O cara me ameaçou… Ao ele dizer ‘você não sabe quem eu sou’ ele está me ameaçando de várias formas. Aí como eu viajo tranquilo para o outro lado do mundo sabendo que minha noiva está dentro de casa, que meu sogro está próximo da minha casa… Como que eu faço?”

O Detran disse em nota que lamenta o ocorrido e que vai apurar a ocorrência.

G1SP

Polícia apreende 180 quilos de drogas, fuzil e outras armas dentro de casa na Grande Natal

'Tijolos' de maconha foram apreendidos em casa no município de Extremoz, na Grande Natal. — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi
‘Tijolos’ de maconha foram apreendidos em casa no município de Extremoz, na Grande Natal. — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

A Polícia Militar apreendeu cerca de 180 quilos de drogas um fuzil, além de outras armas e equipamentos para prensar entorpecentes, nesta terça-feira (27) em Extremoz, na região metropolitana de Natal.

As equipes do 4º Batalhão da PM receberam uma denúncia anônima que apontava um intenso comércio de drogas em uma casa na rua São Jorge, no centro do município.

Quando a polícia se aproximava do local, várias pessoas fugiram, deixando o imóvel sem ninguém. No local, os policiais encontraram tijolos de maconha e sacos com pasta-base de cocaína.

Também foram apreendidas no local, armas de grosso calibre, como um fuzil M-16, além de outras armas, uma sacola com mais de 500 munições de fuzil, além de outros equipamentos usados para o tráfico.

Policiais militares levam parte da droga apreendida para a delegacia de plantão da Zona Norte, em Natal. — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Policiais militares levam parte da droga apreendida para a delegacia de plantão da Zona Norte, em Natal. — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Na mesma ocorrência, dois veículos que estavam no local foram levados para averiguação policial.

Em um deles havia centenas de santinhos – folhetos com propaganda política – de candidatos a vereador e prefeito em campanhas eleitorais já passadas. O carro não tinha queixa de roubo, mas a polícia desconfia que o chassi foi adulterado.

No outro carro, com placas de São Paulo, havia “esconderijos” na parte interna, que a polícia acredita que eram usados para transportar droga. Em alguns compartimentos, segundo a polícia, foram encontrados vestígios de maconha.

Nenhum suspeito foi preso.

G1RN

PF aciona STF para investigar deputado Luis Miranda por acusação contra Bolsonaro no caso Covaxin

A Polícia Federal entregou, nesta terça-feira (20), um pedido ao STF (Supremo Tribunal Federal) para investigar o deputado Luis Miranda (DEM-DF) por possível denunciação caluniosa contra Jair Bolsonaro (sem partido).

O deputado disse ter alertado o presidente da República sobre supostas irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin, da Bharat Biotech, no início de 2021.

O pedido de investigação partiu do ministro da Justiça, Anderson Torres, que alegou relato de “fatos inverídicos” por parte de Miranda sobre o caso Covaxin.

O processo, agora, foi encaminhado para avaliação da ministra Rosa Weber, do STF. A ministra é relatora do inquérito que apura a suspeita de prevaricação por parte de Bolsonaro.

BG

Polícia Civil prende suspeitos da morte de pré-candidato a prefeito em 2020 no Oeste potiguar

Netinho de Nilton foi morto a tiros em Campo Grande — Foto: Arquivo pessoal
Netinho de Nilton foi morto a tiros em Campo Grande — Foto: Arquivo pessoal

A Policia Civil do Rio Grande do Norte deflagrou, nesta terça-feira(20) uma operação para prender autores do homicídio do empresário Raimundo Gonçalves de Lima Neto, mais conhecido como Netinho de Nilton, no Oeste potiguar.

Aos 35 anos, Netinho era pré-candidato à prefeitura de Janduís quando foi assassinado com quatro tiros na nuca em 11 de abril de 2020, na zona rural de Campo Grande. A motivação política para o crime é uma das principais linhas de investigação da polícia.

De acordo com a Polícia Civil, sete pessoas foram presas. Além disso, duas armas e diversas munições foram apreendidas com os suspeitos. A operação recebeu o nome Flor de Mandacaru, devido a resistência do crime naquela região.

“A flor de Mandacaru nasce a noite e fecha pela manhã uma única vez, trazendo esperança de dias bons para o sertanejo. Acho que aquela região ainda sonha com esperança de dia melhores em que os crimes de pistolagem acabem. O trabalho da polícia vem para trazer essa esperança”, ressalta o delegado Odilon Teodósio, chefe da operação.

Polícia Civil fala sobre operação que prendeu suspeitos da morte do empresário Netinho de Nilton em 2020, no RN. — Foto: Iara Nóbrega/Inter TV Costa Branca

Polícia Civil fala sobre operação que prendeu suspeitos da morte do empresário Netinho de Nilton em 2020, no RN. — Foto: Iara Nóbrega/Inter TV Costa Branca

De acordo com a polícia, as investigações se iniciaram a partir da prisão de um grupo que estava praticando assaltos na região cinco dias após a morte do empresário. A partir de então, a polícia encontrou evidências que aquele grupo estaria diretamente envolvido com a morte de Netinho de Nilton.

O delegado Odilon Teodósio afirmou que o crime foi encomendado, mas a polícia ainda não descobriu se a motivação foi política ou uma desavença familiar. “Foi um crime a mando, valor não temos, mas foi um crime pago. Não está descartado de ter sido um crime contratado por questões políticas partidárias. Era um candidato forte ao cargo, mas não podemos confirmar ainda quem foi o autor do crime”, explica Teodósio.

Ao todo, foram cumpridos vinte mandados em várias cidades – São Bento, no estado da Paraíba, Macaíba, Areia Branca, Caraúbas, Janduís e Campo Grande.

O possível mentor do assassinato e outros dois suspeitos de envolvimento com o crime continuam foragidos.

O crime

Netinho de Nilton foi morto a tiros quando chegava em sua fazenda no município de Campo Grande, no interior do Rio Grande do Norte, na manhã de um sábado. De acordo com a 3ª Companhia da Polícia Militar, que atua na cidade, ele estava em uma moto quando foi abordado pelo bandidos, por volta das 9h30.

Crime aconteceu próximo à fazenda que Netinho havia comprado recentemente  — Foto: Divulgação

Crime aconteceu próximo à fazenda que Netinho havia comprado recentemente — Foto: Divulgação

Ele foi obrigado a sair da moto, levado até um matagal próximo, e executado em seguida. Segundo a PM, vizinhos e parentes – que estavam na fazenda – ouviram quatro disparos e uma moto em fuga na sequência. Nada do empresário foi roubado.

Filiado ao Psol, Netinho se lançava na política pela primeira vez como candidato em Janduís, segundo correligionários.

Após o crime, a Delegacia Geral da Polícia Civil determinou que a investigação ficasse a cargo da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A DHPP normalmente não atua em municípios do interior estado, mas a Delegacia-geral de Polícia Civil determinou que um delegado da unidade seja designado para apurar o caso, pela justificativa de falta de estrutura da delegacia de Campo Grande para abarcar a investigação, dada a sua “complexidade”.

G1RN

PF apreende R$ 190 milhões em fraudes no enfrentamento da pandemia; valores investigados somam R$ 3,2 bilhões

Foto: Arquivo/Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) ultrapassou na última semana a marca de 100 operações de repressão ao desvio e utilização indevida de verbas públicas federais destinadas ao combate à pandemia de covid-19. Até o último dia 13, o total de operações chegou a 102 e os valores apreendidos a quase R$ 190 milhões.

Em nota, a PF informou hoje (20) que, desde abril do ano passado, já cumpriu 158 mandados de prisão temporária, 17 de prisão preventiva e 1.536 de busca e apreensão em 205 municípios de 26 unidades da federação. O montante de contratos de produtos e serviços investigados atingiu cerca de R$ 3,2 bilhões.

Superfaturamento

Deflagrada em abril de 2020 na Paraíba, a Operação Alquimia foi a primeira ação para apurar suspeita de desvio de recursos públicos. De lá para cá, o Amapá é o estado com o maior número de operações, 11 no total, seguido por Maranhão (10), Pernambuco (8), Sergipe (8), Rio de Janeiro (7), São Paulo (6), Piauí (6), Pará (6), Amazonas (4) e Rondônia (4).

Sobre o montante de contratos investigados, o Pará lidera com R$ 1,4 bilhão. Em seguida, aparecem o Rio de Janeiro (R$ 850 milhões), Pernambuco (R$ 198 milhões), São Paulo (R$ 118 milhões), Minas Gerais (R$ 102 milhões), Rondônia (R$ 92 milhões) e Piauí (R$ 82 milhões).

Agência Brasil

“O que segura preso é bala”, diz presidente do Sindicato dos Policiais Penais do RN

A presidente do Sindicato dos Policiais Penais do RN (Sindpen), Vilma Batista, ao comentar a fuga de 12 presos de Alcaçuz, defendeu o uso de armas de fogo contra bandidos que colocarem as vidas dos policiais em risco.

“O preso que não obedecer os procedimentos tem que ser conduzido a delegacia, e no primeiro momento, se ele vier [atentar contra os agentes], tem que meter bala sim, porque o que segura preso é bala, claro que a bala só é dada em momentos de extrema necessidade”, disse em entrevista à 98 FM.

BG

DJ Ivis tem 2º pedido de liberdade negado, desta vez pelo STJ

Foto: Bárbara Moira/O Povo

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, negou um habeas corpus em defesa do cantor Iverson de Souza Araújo, o DJ Ivis. A decisão foi publicada pela Corte nesta segunda-feira (19). De acordo com o tribunal, o pedido foi solicitado por um perito judicial e não pela defesa do cantor.

Ivis foi preso na última quarta-feira (14) e é investigado por agressões contra a ex-mulher, Pamella Holanda.

Conforme o presidente do STJ, o habeas corpus não dispõe de documentos que mostrem a real situação do processo criminal que tramita na Justiça cearense. Para Humberto Martins, analisar o pedido agora poderia provocar tumulto no processo e prejudicar a própria defesa dos advogados do cantor.

Segundo o STJ, o perito judicial que entrou com o habeas corpus argumentou que DJ Ivis é réu primário, famoso, possui bons antecedentes e não iria atentar contra a vítima no curso do processo. Ele também alega que a prisão preventiva só deveria ser decretada em caso de descumprimento de medida protetiva.

“Não é possível saber sequer se o STJ é competente para apreciar o pedido, pois não há notícia de que o tribunal de origem tenha examinado as questões ora alegadas”, disse o ministro. Em função disso, o pedido foi arquivado.

Justiça do Ceará já negou Habeas Corpus

Durante o fim de semana, o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) negou um habeas corpus impetrado pela defesa do cantor. O artista continua detido no presídio Irmã Imelda Lima Pontes, na Região Metropolitana de Fortaleza, para onde foi transferido após audiência de custódia.

Um dos advogados de DJ Ivis no caso, o criminalista André Quezado, afirmou que irá aguardar a conclusão da fase de inquérito policial para decidir sobre um pedido de soltura do cantor.

O artista está detido em uma área de triagem no presídio, de acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) do Ceará. Ele está em uma situação especial de segurança para que seja garantida a integridade física, uma vez que o caso teve grande repercussão.

G1

Fazendeiro acusado de ajudar Lázaro Barbosa em fuga deixa presídio e põe tornozeleira eletrônica

Foto: Ed Alves/CB/D.A Press

O fazendeiro Elmi Caetano, 74 anos, preso por auxiliar na fuga de Lázaro Barbosa, teve sua prisão preventiva revogada pela Justiça na sexta-feira (16/7). Ele foi indiciado em junho pelos crimes de favorecimento pessoal — consiste na ajuda prestada para que o autor do delito não seja alcançado pela autoridade pública — e posse ou porte ilegal de arma de fogo.

Elmi estava detido no presídio público de Águas Lindas de Goiás desde o dia 24 de junho e vai usar tornozeleira eletrônica.

A decisão é assinada pela juíza Luciana Oliveira de Almeida Maia da Silveira. No texto, ela diz não ver perigo na soltura do fazendeiro, que é idoso e tem residência fixa, e ressaltou que a simples suspeita, sem provas de que armas e munições encontradas com Lázaro Barbosa pertencem a Elmi, não seriam suficiente para respaldar o prolongamento da prisão.

“A prisão deve ser substituída por medida mais branda, especialmente por se tratar de réu idoso, com residência fixa, ocupação lícita e sem outras passagens pela seara criminal. Ainda, há nos autos documentos que indicam certa fragilidade na saúde de Elmi, o que deve ser sopesado, considerando que ainda persiste a pandemia do coronavírus”, diz a decisão.

O fazendeiro foi detido no dia 24 de junho após desobedecer uma ordem de parada dada por policiais penais, e foi perseguido pelos agentes até ser interceptado. O inquérito policial apontou que Elmi dificultou o trabalho da polícia e impediu a entrada de policiais na propriedade.

Correio Braziliense

Homem é morto com tiros na cabeça e outro é baleado na Grande Natal

Crime aconteceu em Macaíba, na Grande Natal — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi
Crime aconteceu em Macaíba, na Grande Natal — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Um homem foi morto a tiros na noite desta sexta-feira (16) no município de Macaíba, na Região Metropolitana de Natal. Um rapaz que estava com ele também foi atingido pelos disparos, mas foi socorrido com vida e consciente.

A vítima fatal foi Valter Miguel do Nascimento, de 30 anos de idade. De acordo com a Polícia Militar, os dois homens estavam em uma moto na rua Olímpio Maciel e foram abordados por dois criminosos, que estavam em outra moto, e atiraram contra as vítimas.

Valter Miguel foi alvejado por vários disparos, que atingiram também a cabeça. Ele morreu na hora.

O rapaz que estava com ele na moto também foi baleado, inclusive na cabeça, mas foi socorrido por uma ambulância e estava consciente.

As cápsulas dos tiros ficaram espalhados pela pista. Os dois criminosos fugiram após o crime. A Polícia Militar fez diligências, mas não encontrou os responsáveis.

Segundo a PM, a apuração inicial estava escassa, já que a população no local também não repassou muitas informações.

O Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep) fez o recolhimento do corpo para necropsia e o caso será investigado pela Polícia Civil.

G1RN

Bombeiros encontram corpo no Rio Potengi durante buscas por adolescente de 14 anos

Bombeiros encontram corpo no Rio Potengi durante buscas por adolescente de 14 anos — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação
Bombeiros encontram corpo no Rio Potengi durante buscas por adolescente de 14 anos — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Um corpo em avançado estado de decomposição foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros Militar na tarde desta quarta-feira (14), no Rio Potengi, em Natal. O corpo foi encontrado por volta das 13h30, nas imediações do bairro Nordeste, durante as buscas pelo jovem de 14 anos que se afogou enquanto surfava na praia de Miami nesta terça (13).

O corpo, que de acordo com o Corpo de Bombeiros não é do adolescente, foi recolhido pelo Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP).

Desaparecimento

O jovem desapareceu na praia de Miami, na Zona Leste de Natal, enquanto surfava na tarde desta terça.

Os bombeiros foram acionados e iniciaram as buscas, que continuam nesta quarta. A prancha do adolescente foi encontrada com a cordinha (strep) quebrada.

De acordo com familiares, o adolescente estava acostumado a surfar no local. Os familiares informaram ainda que ele tinha casos de convulsões.

Candidato é preso por tentativa de fraude no concurso da Polícia Civil no RN

Central de Flagrantes de Natal, Polícia Civil RN, Ilustrativa — Foto: Kléber Teixeira/Inter TV Cabugi
Central de Flagrantes de Natal, Polícia Civil RN, Ilustrativa — Foto: Kléber Teixeira/Inter TV Cabugi

Um candidato inscrito no concurso da Polícia Civil do Rio Grande do Norte foi preso por tentar fraudar as provas neste domingo (11), em Natal.

A Polícia Civil confirmou ao G1 a prisão de um candidato alagoano, de 41 anos de idade, durante o exame intelectual, que é a primeira etapa da seleção pública. Apesar disso, não informou o tipo de equipamento usado pelo candidato na fraude.

A assessoria de imprensa da corporação disse que a investigação corre em sigilo e que o delegado responsável preferiu não revelar mais detalhes para não prejudicar outras diligências.

Também não foi informada se há suspeita de participação de outras pessoas na tentativa de fraude.

“O inquérito policial foi instaurado e as investigações estão tramitando no Departamento de Combate à Corrupção (DECCOR). A PCRN informa que o certame segue o curso normalmente e reforça seu compromisso com a transparência perante a sociedade, em especial os candidatos, destacando que, caso sejam verificadas quaisquer outras práticas ilícitas, as medidas administrativas e criminais necessárias serão adotadas, com a responsabilização do(s) autor(es)”, informou a corporação em nota.

Concurso

Ao todo, o concurso teve 61.042 candidatos inscritos para concorrer às 301 vagas oferecidas – 230 para agente, 24 para escrivão e 47 para delegado.

edital foi lançado em novembro de 2020 e a previsão era de que as provas fossem aplicadas nos dias 07 e 14 de março. Porém, por causa da pandemia da Covid-19, a seleção foi suspensa em fevereiro e retomada em maio.

O salário oferecido para agente e escrivão é de R$ 4.731,91 e para delegado, R$ 16.670,59.

G1RN