RN investiga 4.753 casos de dengue, 414 de zika vírus e 13 de chikungunya

Larvas do mosquito Aedes aegypti são fotografadas em laboratório (Foto: Marin Recinos/AFP)
Larvas do mosquito Aedes aegypti são fotografadas em laboratório (Foto: Marin Recinos/AFP)

G1 – Os casos de dengue registrados entre 1º janeiro a 13 de fevereiro deste ano no Rio Grande do Norte aumentaram 98,46% com relação ao mesmo período do ano passado. Em 2016, já são 4.753 casos suspeitos e 356 confirmados. Quanto à febre chikungunya, este ano já foram notificados 13 casos suspeitos, todos ainda em investigação. Já sobre o zika vírus, foram notificados 414 casos. Destes, 4 confirmados. Os números foram divulgados nesta quarta-feira (17) pela Secretaria de Saúde Pública (Sesap).

Ainda de acordo com a Sesap, até o dia 13 de fevereiro, fim da semana epidemiológica 6, o estado somou 20 municípios com alta incidência acumulada de dengue (até a semana epidemiológica 4 eram 9, ou seja, um aumento de 122% de municípios com alta incidência acumulada), que são municípios que notificaram mais de 300 casos da doença por 100 mil habitantes.

“Ao mesmo tempo, visualizamos 78 municípios silenciosos, que não notificaram nenhum caso suspeito de dengue nesse período. Isso aponta para uma subnotificação de casos suspeitos e indica a necessidade de sensibilizar os profissionais de saúde para a responsabilidade de notificarem todos os atendimentos que se enquadrarem na definição de caso suspeito para dengue definido pelo Ministério da Saúde”, explicou Kristiane Fialho, subcoordenadora de vigilância epidemiológica da Sesap. “O cenário da dengue no RN revela ainda um aumento de óbitos notificados em 150%, uma situação preocupante. Entretanto, esses óbitos ainda estão em investigação para conclusão”, acrescentou.

Fumacê
A Sesap informou também que já realizou ações com o carro fumacê (UBV pesado) nos municípios de Natal (Zona Norte), Caicó, Umarizal, Martins, Lajes, Jandaíra, Guamaré ePendências. Logo após o carnaval a ação foi feita nos municípios de Cerro Corá, Florânia,Parelhas, Santana do Matos e Pedro Avelino. Outros municípios estão sinalizando a necessidade da utilização dos carros fumacê e a equipe estadual irá analisar se eles enquadram-se nos requisitos necessários para realização de UBV pesado ou costal.