O Fies muda para conter rombo bilionário

Pátio da universidade Mackenzie, em São Paulo
Educação: rombo com inadimplência no Fies deve passar de R$6 bilhões ao anos em 2026 (Alexandre Battibugli/EXAME.com)

Começam nesta terça-feira as inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies. Serão oferecidas 75.000 vagas para estudantes de baixa renda para o segundo semestre deste ano em instituições de ensino superior, com as mesmas regras do último semestre. Pode se inscrever quem fez Enem a partir de 2010, não tirou zero na redação e fez mais de 450 pontos no total. A partir do próximo semestre, no entanto, o governo passará a adotar um novo modelo para fornecer o financiamento.

Por um lado, a ideia é beneficiar pessoas com renda familiar de até três salários mínimos per capita, passando a oferecer juros iguais ao índice de inflação, quando até agora eram de 6,5% ao ano. Por outro, o governo garante o pagamento ao descontar a prestação diretamente em folha depois que o beneficiado conseguir seu primeiro emprego como formado. São 100.000 vagas nessa modalidade.

O governo também criou o “Fies regional” para estudantes com renda familiar mensal de até cinco salários mínimos per capita, com 150.000 vagas no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e juro de 3%, mais a variação monetária, e 60.000 vagas para as outras regiões com juros ainda não definidos, mas um pouco maiores.

A mudança se deu porque, de acordo com o governo, o modelo adotado até aqui se mostrou “insustentável”. Para o ministro da Educação, Mendonça Filho, ele se transformou em um “rombo fiscal absolutamente sem controle”. De fato, em 2016 a inadimplência chegou a 53%. Um estudo do ministério da Fazenda mostra que o custo dessa inadimplência deve passar dos 3 bilhões de reais ao ano em 2023 e chegar a 6,4 bilhões em 2026. Considerando despesas administrativas e subsídios, o impacto total no orçamento federam deve passar dos 11 bilhões de reais em 2024, se mantendo nesse patamar por alguns anos.

 

Fonte:http://exame.abril.com.br/brasil/o-fies-muda-para-conter-rombo-bilionario/