Mangueira quebra o jejum de 14 anos e sai como campeã do carnaval do RJ

Apresentação1

Marina Araújo do G1, Rio de Janeiro

Terminou o jejum de uma das escolas de samba mais populares do Brasil: a Estação Primeira de Mangueira é a grande campeã do Carnaval do Rio de Janeiro. O último título tinha sido conquistado há 14 anos.

Em uma apuração apertada, a vencedora foi definida no último quesito, de alegorias e adereços, e por apenas um décimo de diferença. O enredo da escola homenageou a cantora Maria Bethânia.

A Mangueira quebrou um jejum de 14 anos sem vencer e o grito que estava entalado na garganta da comunidade.

O mestre-sala respirou aliviado. Ele e a porta-bandeira ousaram na passarela misturando o bailado com a dança dos orixás. “Oyá nos deu axé e abriu caminho para a Mangueira ser campeã”, disse Raphael Rodrigues.

A última vez que a Mangueira venceu foi em 2002 com um enredo sobre o Nordeste. Desta vez foi uma baiana a homenageada: a cantora Maria Bethânia.

“A Bethânia falou que só queria que a Mangueira ficasse feliz. A gente espera nesse momento que ela esteja muito feliz também porque a Mangueira está feliz”, disse o empresário Eduardo Teixeira.

“Eu sou uma cantora popular brasileira. Como eu, milhares de mulheres, rapazes, cantores deste país. E a Mangueira escolheu uma cantora. Acho isso muito nobre, muito bonito. A música ganhou muito”, contou Maria Bethânia.

A quadra lotou no final de tarde. Foi uma alegria sem fim. Não é para menos, a “verde e rosa”, uma das escolas mais tradicionais do Rio de Janeiro, venceu à base de muita emoção. Foi por um décimo.

O calor no sambódromo do Rio estava infernal e a disputa foi a mais acirrada dos últimos anos. Nota a nota. Entre as torcidas, muita tensão e reza.

Salgueiro e Mangueira seguiam empatadas até o último quesito, alegorias e adereços, quando a Mangueira virou e levou o título. A felicidade explodiu em verde e rosa.

A Mangueira foi a última a entrar na Avenida na segunda noite de desfiles e levou os 50 anos de carreira de Maria Bethânia para a Sapucaí. O desfile foi um passeio pela obra e religiosidade da cantora, filha de Yansã e menina de Oyá. Artistas, amigos e o irmão Caetano Veloso estavam lá.

Bethânia foi no último carro ao lado de duas afilhadas. Logo em seguida, o público tomou conta da Sapucaí, em um encerramento emocionante.

A Estácio de Sá foi rebaixada para o Grupo de Acesso e a Paraíso do Tuiuti subiu e vai desfilar no Grupo Especial de 2017.