Justiça extingui processo que pedia prisão de policiais.

O desembargador Saraiva Sobrinho corrigiu o equívoco do pedido de prisão para os policiais que estavam aquartelados (greve). O pedido de prisão foi determinado pelo ex-presidente do Tribunal de Justiça, o desembargador Cláudio Santos. Com a extinção do processo os policiais que fizeram o movimento recebem o perdão por um pecado que não cometeram. Visto que só permaneceram aquartelados por causa da falta de seus pagamentos de salários, de seus décimos terceiros, e de melhores condições para exercerem seus trabalhos.

Durante a mobilização, policiais civis chegaram a se apresentar algemados por causa da decisão que pedia a prisão dos grevistas (Foto: Vitorino Junior/Photopress/Estadão COnteúdo)
Durante a mobilização, policiais civis chegaram a se apresentar algemados por causa da decisão que pedia a prisão dos grevistas (Foto: Vitorino Junior/Photopress/Estadão COnteúdo)