Indústria criou 375 mil vagas em um trimestre, aponta IBGE

Indústria de alimentos
Indústria de Alimentos: puxou aumento, tanto formal como informalmente (Angel Navarrete/Bloomberg)

Rio – A indústria criou 375 mil postos de trabalho em um trimestre, o equivalente a um aumento de 3,3% no total de ocupados no setor. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados nesta sexta-feira, 28, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar da boa notícia, a expansão se deu por meio de um aumento de trabalhadores informais, especialmente na indústria alimentícia. “Que indústria é essa que está aumentando o contingente de ocupados? A gente vê que a frequência maior se dá sobre o contingente de trabalhadores sem carteira assinada”, ressaltou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE. “A indústria extrativa não se altera, é a indústria de transformação que contrata. E quem puxou foi a indústria alimentícia”, explicou.

No segundo trimestre, o total de ocupados no País cresceu 1,4% em relação ao primeiro trimestre do ano, com a criação de 1,289 milhão de vagas. Outros setores que contrataram no período foram comércio, com 199 mil funcionários a mais; transporte, armazenagem e correio, com mais 131 mil; alojamento e alimentação, mais 77 mil; serviços domésticos, 39 mil a mais; administração pública, defesa, seguridade social, educação e saúde, mais 485 mil novas contratações; e outros serviços, com a geração de 238 mil novos postos.

Segundo Azeredo, houve elevação no montante de pessoas trabalhando por conta própria no segmento de cabeleireiros e serviços de beleza, que se enquadram na categoria de “outros serviços”, e como motoristas de passageiros, o que pode ser explicado por um maior número de motoristas de aplicativos como o Uber.

“O avanço no setor de transporte se caracteriza principalmente por uma entrada de motorista de passageiros. É possível que seja motorista de aplicativo, mas a pesquisa não consegue fazer essa distinção”, ponderou ele. “A gente não tem como separar qual é o motorista de táxi e o de aplicativo. Mas a gente sabe que o aplicativo é uma forma de resgate do emprego. A pessoa perde o emprego e se insere no aplicativo”, completou.

No caso do segmento de Administração Pública, o coordenador do IBGE disse que houve um movimento sazonal de contratação após uma demissão tradicionalmente mais acentuada ao fim de cada ano.

“Na administração pública, 48% desse grupamento é voltado para a educação, e ela teve um peso importante. É comum que no fim do ano as prefeituras demitam professores para fechar as contas, depois contratam de novo. Esse aumento de alta e baixa é sazonal”, disse.

 

Fonte:http://exame.abril.com.br/economia/industria-criou-375-mil-vagas-em-um-trimestre-aponta-ibge/