Hermano Morais ressalta importância da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Em pronunciamento na Sessão Ordinária desta terça-feira (13), o deputado Hermano Morais (PSB) teceu elogios à reunião ocorrida no início da manhã entre parlamentares e representantes das micro e pequenas empresas do Estado, a fim de ajustar os últimos detalhes da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, que está pronta para ser votada em Plenário, nos próximos dias.

“Quero destacar a importância de termos recebido a comitiva de empresários do setor produtivo do Estado, que veio compartilhar a tramitação da Lei Geral das Micro e Pequena Empresas. Eu me sinto muito honrado por ser o relator da matéria na Comissão de Constituição e Justiça, além de integrante da Frente Parlamentar”, disse. 

Segundo Hermano, esse é o maior segmento empregador do RN. “E com essa Lei Geral haverá mais incentivo e fomento da economia local. O projeto já passou pelas comissões e irá a Plenário nos próximos dias, e eu tenho certeza de que será aprovado à unanimidade”, garantiu.

Hermano também discursou sobre a situação da Educação Básica do Rio Grande do Norte. “Quanto à criança, me inspirando no dia de ontem, quero fazer algumas considerações sobre o andamento da Educação na nossa capital. Há poucos dias, nós tivemos a divulgação do IDEB, índice que avalia a educação básica no Brasil. Para a nossa tristeza, Natal ficou com o pior desempenho entre as capitais do País. Isso demonstra o atraso num setor tão essencial, que é a Educação”, apontou. 

De acordo com o parlamentar, a história nos ensina que o caminho da evolução humana é a Educação. “E infelizmente ela não tem sido prioridade. Por isso tivemos esse resultado tão preocupante e que precisa ser revertido. Além disso, ainda tem a dificuldade de acesso a creche enfrentada pelas crianças da primeira infância, pois apenas 34 a cada 100 crianças têm direito à creche. Isso é uma vergonha, porque direito não é motivo para se fazer sorteio. Direito tem que ser respeitado. E isso também dificulta a vida das mães trabalhadoras ou que querem trabalhar e podem deixar seus filhos em segurança. Portanto, eu deixo aqui minha solidariedade às crianças e às famílias que desejam investir em Educação de qualidade para seus filhos, mas não podem, por falta de apoio dos governantes”, concluiu.