Hermano alerta para suspensão dos plantões nas delegacias do RN

No pronunciamento que fez durante a sessão plenária desta quarta-feira (16), o deputado Hermano Morais (MDB) chamou a atenção para o problema da segurança pública no RN. O parlamentar citou um comunicado da Associação dos Delegados da Polícia Civil (Adepol) informando sobre a suspensão dos plantões em vários municípios.

“Recebi este comunicado, que gera uma preocupação. Se a insegurança já está grande, imagine com essa suspensão dos plantões que os delegados já faziam de forma voluntária”, alertou o parlamentar.
Hermano citou que os profissionais que atuam na segurança pública do Estado estão acumulando problemas, como o déficit nos efetivos. “Têm delegados que respondem por vários municípios, pois há um grande déficit e profissionais e eles estão cansados de aguardar pelo concurso anunciado. Chegaram ao ponto em que a categoria resolve tomar essa decisão e a população fica ainda mais desassistida”, preocupa-se o deputado.

Hospitais
O deputado também reforçou convite para a audiência pública que irá acontecer na tarde desta quarta-feira, na Assembleia Legislativa, sobre o fortalecimento dos hospitais. O debate é uma proposição conjunta do seu mandato juntamente com os deputados Gustavo Fernandes (PSDB) e Márcia Maia (PSDB).

“O clima anda pesado, em locais como João Câmara e São Paulo do Potengi, onde as prefeituras estão sem condições de receber os pacientes, como propõe a Secretaria Estadual de Saúde”, afirmou Hermano. O deputado também citou que a própria gestão estadual está com déficit de recursos humanos e sem recursos para abastecimento.

Hermano Morais relatou que no caso de João Câmara, as gestantes precisam se deslocar a Macaíba, com dificuldades de transporte e de recursos. “Temos que avaliar essas medidas, não podemos deixar a população desassistida. Por isso o debate é importante para ouvir a palavra dos técnicos, gestores e servidores, mas o interesse maior é a prestação de serviços à população que depende do SUS, por não ter plano de saúde”, afirmou.

 

Assessoria