Com letalidade baixa de 212 mortes diária, Brasil registra maior número de contágio de Ômicron, 204 mil casos nas últimas 24 horas

Variante ômicron se tornou a prevalente no Brasil e é mais transmissível / EFE/EPA/ATEF SAFADI

Os números expostos na reportagem da Jovem Pan trazem traquilidades a população brasileira, apesar do maior contágio desde a chega da Covid, em 24 horas foram confirmados 204 mil casos. Entretanto, as mortes é de um número bem reduzidos, de apenas 212 em todo o país. O Brasil já registrou mais de 3 mil mortes diárias, por Covid. Isto aponta que estamos no fim da doença como diz a Inglaterra, que a partir da próxima semana acabará com todas as restrições imposta.

Brasil registrou 204.854 novos casos de Covid-19 em 24 horas nesta quarta, 19, o recorde desde o início da pandemia, segundo dados do Consórcio Nacional de Secretarias da Saúde (Conass). Até então, o recorde era de 150 mil casos, registrados em 18 de setembro de 2021, quando dados represados foram registrados de uma vez só após uma falha no sistema. A média móvel de novos casos em sete dias também segue em alta e atingiu outro patamar recorde, 99.974 detecções diárias do coronavírus. Em relação às mortes, foram 338 em 24 horas, um pouco abaixo da terça, 18, que teve 351; na média móvel de sete dias, são 212 óbitos diários. O crescimento do número de infecções é resultado do espalhamento da variante Ômicron, mais transmissível e capaz de escapar da imunidade prévia adquirida com vacinas ou infecções anteriores; por outro lado, ela tende a causar menos mortes, principalmente entre vacinados. No total, o Brasil já detectou 23.416.748 casos de Covid-19 e 621.855 pessoas perderam a vida no país por causa da doença.

Jovem Pan