Category: Saúde

Com letalidade baixa de 212 mortes diária, Brasil registra maior número de contágio de Ômicron, 204 mil casos nas últimas 24 horas

Variante ômicron se tornou a prevalente no Brasil e é mais transmissível / EFE/EPA/ATEF SAFADI

Os números expostos na reportagem da Jovem Pan trazem traquilidades a população brasileira, apesar do maior contágio desde a chega da Covid, em 24 horas foram confirmados 204 mil casos. Entretanto, as mortes é de um número bem reduzidos, de apenas 212 em todo o país. O Brasil já registrou mais de 3 mil mortes diárias, por Covid. Isto aponta que estamos no fim da doença como diz a Inglaterra, que a partir da próxima semana acabará com todas as restrições imposta.

Brasil registrou 204.854 novos casos de Covid-19 em 24 horas nesta quarta, 19, o recorde desde o início da pandemia, segundo dados do Consórcio Nacional de Secretarias da Saúde (Conass). Até então, o recorde era de 150 mil casos, registrados em 18 de setembro de 2021, quando dados represados foram registrados de uma vez só após uma falha no sistema. A média móvel de novos casos em sete dias também segue em alta e atingiu outro patamar recorde, 99.974 detecções diárias do coronavírus. Em relação às mortes, foram 338 em 24 horas, um pouco abaixo da terça, 18, que teve 351; na média móvel de sete dias, são 212 óbitos diários. O crescimento do número de infecções é resultado do espalhamento da variante Ômicron, mais transmissível e capaz de escapar da imunidade prévia adquirida com vacinas ou infecções anteriores; por outro lado, ela tende a causar menos mortes, principalmente entre vacinados. No total, o Brasil já detectou 23.416.748 casos de Covid-19 e 621.855 pessoas perderam a vida no país por causa da doença.

Jovem Pan

Após pedir explicação a Lewandowski, Bolsonaro diz que vacinação infantil não é obrigatória

Jair Bolsonaro conversou com os comentaristas de Os Pingos Nos Is

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que conversou com o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a decisão que determinou que os Ministérios Públicos dos Estados fiscalizem a vacinação de crianças contra a Covid-19. “Quando começaram as notícias de que a vacina seria obrigatória e iriam multar os pais, eu liguei para o ministro Ricardo Lewandowski para buscar um esclarecimento sobre isso daí. Ele esclareceu que a vacina, conforme despacho dele mesmo, não é obrigatória para as crianças. E agora ele confirma que foi uma resposta a uma ação da Rede Sustentabilidade dizendo que nenhum prefeito ou governador pode aplicar nenhuma sanção a pais que não queiram vacinar seus filhos entre 5 a 11 anos de idade”, disse Bolsonaro em entrevista ao programa Os Pingos Nos Is, da Jovem Pan News. 

Em despacho publicado nesta quarta-feira, 19, o magistrado oficiou os Ministérios Públicos para que fiscalizem o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) no âmbito da vacinação. Na decisão, Lewandowski ordenou que os Estados “empreendam as medidas necessárias para o cumprimento do disposto nos referidos preceitos normativos quanto à vacinação de menores contra a Covid-19”. O ministro atendeu a um pedido da Rede Sustentabilidade, que argumentou que o ato do Ministério da Saúde de recomendar a vacinação de crianças “de forma não obrigatória” contraria o ECA. O estatuto considera obrigatória a imunização nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias.

Bolsonaro, no entanto, garantiu que os pais que não quiserem vacinar seus filhos não serão punidos e disse que a imunização infantil não será uma exigência. “A decisão do senhor Ricardo Lewandowski é no seguinte sentido, que a vacina para crianças entre 5 e 11 anos não é obrigatória. Nenhum governador ou prefeito poderá multar os pais que por ventura não queiram que as crianças tomem a vacina ou constrange-los com qualquer outra medida, como, por exemplo, pedir para não se matricular nas escolas”, declarou. “Na conversa que eu tive com ele, o ministro deixou muito claro que não há intenção por parte dele que essa autorização de buscar os pais para aplicar sanções fosse dada a prefeitos e governadores. A decisão de Lewandowski para os 27 MPs do Brasil foi para que eles observem o direito das crianças”, concluiu Bolsonaro. 

Jovem Pan

Anvisa deve liberar nesta quarta-feira uso de autotestes de Covid-19

Equipamente utilizado na testagem rápida para detectar a Covid-19 / Banco de imagens/Pixabay

A diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reúne nesta quarta-feira, 19, e também amanhã para definir novas ações de combate à Covid-19. Na tarde desta quarta deve ser definida a possibilidade da implementação de autotestes para o coronavírus no Brasil. O pedido do Ministério da Saúde prevê que os autotestes sejam comercializados em farmácias. A rede farmacêutica do país é bastante ampla, e muitas já estão fazendo testes rápidos de Covid-19. Deverá caber às próprias farmácias orientar os clientes caso o autoteste dê positivo.

Em entrevista à Jovem Pan News, o infectologista Marcos Boulos se diz favorável à implementação dos autotestes, sobretudo com o aumento de casos e a ineficiência em atendimento na rede de saúde. “O Covid pode ter uma evolução mais prolongada, então é necessário nós sabermos, até para o acompanhamento. Pessoas que geralmente têm um quadro com uma cardiopatia ou um quadro pulmonar, é preciso que sejam acompanhadas um pouco mais, porque às vezes o Covid pode dar uma complicada após o quinto, sexto, sétimo dia, interessa acompanhar. Por isso que é necessário saber. Agora, a pessoa não deve ir para o hospital a não ser que tenha falta de ar ou esteja sofrendo. Se tiver o autoteste, a importância de a gente saber o que é que tem. Só vai pro hospital se necessário for”, explicou.

Já na próxima quinta-feira, 20, os diretores da Anvisa vão discutir o pedido do Instituto Butantan para uso da CoronaVac em crianças. Reuniões entre o instituto e diretores da Anvisa foram feitas nos últimos dias para esclarecer algumas dúvidas em relação ao imunizante. Uma diferença em relação à vacina da Pfizer é que as doses da CoronaVac para as crianças são as mesmas aplicadas nos adultos.

*Com informações do repórter Fernando Martins / Jovem Pam

Cerca de 22% dos médicos que trabalharam no início da pandemia apresentaram sintomas de depressão

Entre os motivos que adoecem os médicos, estão a preocupação de infectar familiares e mudanças regulares no processo de trabalho / Banco de imagens/Freepik

Uma pesquisa analisou a saúde mental de profissionais da saúde de 11 países da América Latina. O relatório aponta que entre 14% e  22% dos entrevistados em 2020, primeiro ano da pandemia do coronavírus, apresentaram sintomas consistentes de depressão e que 15% admitiram ter pensado em suicídio. Segundo o departamento de Doenças Não Transmissíveis e Saúde Mental da Organização Pan-Americana de Saúde, com o aumento da carga de trabalho e o colapso do sistema de saúde, os trabalhadores não suportaram e tiveram um grande impacto na saúde mental. Foram entrevistados 14.502 profissionais. À frente desses estudos estavam acadêmicos e pesquisadores de diversas instituições dos 11 países. Eles conseguiram identificar os principais motivos que adoecem esses profissionais. E entre esses fatores estão: preocupação com infecção dos próprios parentes, os conflitos com familiares dos pacientes que estão sob os seus cuidados e as mudanças regulares no processo de trabalho.

Outras condições foram mencionadas: condução das instituições de saúde e dos governos no combate à Covid-19, o apoio dos colegas e questões espirituais e religiosas. Quando os médicos ficavam frustrados com a situação, a saúde mental deles sofria e, então, surgia o estresse, a ansiedade e a depressão. Essas observações também são feitas por psiquiatras brasileiros, como explica o médico Primo Paganini. “Os profissionais da mais da área da saúde apresentam um aumento de depressão, ansiedade, medo, frustração, transtorno de estresse pós-traumático, transtorno obsessivo compulsivo, irritabilidade, insônia e abuso de substâncias, principalmente álcool e tabagismo”, aponta Paganini.

O especialista também faz um alerta sobre a rejeição por tratamentos, o que ele chama de psicofobia, o medo por buscar ajuda profissional. Paganini reforça a importância de o paciente receber o tratamento adequado. “No caso de um profissional da área de saúde que perceba que não está bem, ele deve perder a ‘psicofobia’, que é o medo de buscar ajuda com um psicólogo e com um psiquiatra. Então este profissional da área de saúde deve realizar a psicoterapia com o psicólogo, com o psicanalista e, em casos bem indicados, deve procurar o psiquiatra para utilização de medicamentos psicotrópicos, os chamados psicofármacos”. explica Paganini. O estudo feito pela OPAS ressalta que a pandemia ainda não acabou e que por isso é urgente desenvolver políticas e ações específicas que possam proteger a saúde mental dos profissionais da saúde: modificar um ambiente de trabalho, salários descentes, condições contratuais e espaços onde a equipe possa desabafar e se engajar com práticas de autocuidado.

*Com informações da repórter Yasmim Costa / Jovem Pan

RN registra nenhum óbito por covid nas últimas 24 horas; Novos casos são 570

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta quarta-feira (12). São 391.638 casos totalizados. Na terça (11) eram contabilizados 390.977, ou seja, 661 novos casos em comparação com o dia anterior, destes, 570 confirmados nas últimas 24 horas.

Com relação aos óbitos no Rio Grande do Norte, são 7.587 no total. Nenhum óbito foi registrado nas últimas 24 horas. Na terça-feira (11) eram 7.587 mortes. A Sesap não registrou óbito após resultados de exames laboratoriais de dias ou semanas anteriores. Óbitos em investigação são 1.451.

Recuperados são 379.429. Casos suspeitos somam 115.947 e descartados são 833.042. Estimativa de casos em acompanhamento: 4.622

BG

Governo investe R$ 49,7 milhões em programa de bolsas da Saúde

Foto: REPRODUÇÃO / MINISTÉRIO DA SAÚDE

O Ministério da Saúde lançou, nesta terça-feira (11), a décima edição do PET-Saúde (Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde), com previsão de 7.500 bolsas de estudos voltadas para alunos de graduação e profissionais da área. O investimento estimado para essa edição é de até R$ 49,7 milhões.

A expectativa da pasta é selecionar ao menos 120 projetos que promovam a formação em saúde, com ênfase em ações de ensino-aprendizagem para contextos atuais, como o combate à Covid-19. Os projetos devem ser inscritos entre 24 de janeiro e 22 de fevereiro, conforme edital, e o resultado deve ser divulgado em 1º de abril.

O número de bolsas previstas para essa edição é o maior desde o lançamento do programa, em 2008. A expectativa do governo é que o projeto possa beneficiar mil candidatos a mais do que na última edição. Os investimentos devem ser executados em 12 meses. Antes, a verba era distribuída em um período de dois anos.

A diretora do Departamento de Gestão da Educação na Saúde, Musa Denaise de Melo, ressaltou, durante a cerimônia de lançamento, que o PET-Saúde é um programa interministerial que “visa à qualificação da integração ensino, serviço e comunidade”.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também frisou a importância da formação, sobretudo fora de um contexto de mercado. “Precisamos qualificar essas pessoas de forma adequada, formar os profissionais com foco no humanismo que caracteriza os profissionais de saúde, não somente em uma visão mercadológica. Aqui não é um mercado, é o cuidado com a dignidade da pessoa humana.”

R7/ BG

Casos de gripe reduzem atendimento no posto de vacinação do ginásio Nélio Dias

Foto: Alex Regis/TN

A vacinação no ginásio Nélio Dias, na zona Norte de Natal, que hoje, além do ponto de vacinação, conta com novo centro de enfrentamento a síndromes gripais, está com o atendimento comprometido por causa de profissionais gripadas e afastadas do serviço por atestado médico.

Segundo a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Natal, os casos são pontuais e, quando o profissional é servidor municipal, não há como substituir a escala, só sendo possível quando o caso é com médicos da cooperativa, que necessita cumprir com a escala.

Há casos de pessoas que ficaram esperando para receber as doses dos imunizantes contra a covid-19 por mais de três horas. A orientação da SMS é para que, quem puder escolher, se dirija a alguma unidade básica de saúde (UBS) da Zona Norte para realizar sua vacinação.

Tribuna do Norte / BG

Isolamento para pessoas com Covid pode passar a ser de 5 dias, diz Queiroga

Foto: MARCELO CAMARGO / AGÊNCIA BRASIL

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga disse na manhã desta sexta-feira (7) que o tempo de isolamento para pacientes assintomáticos que testam positivo para Covid-19 “possivelmente” será reduzido de dez para cinco dias.

A redução, diz Queiroga, “está sendo adotada em outros países e tem acento em evidências científicas. É possível que adotemos essa mesma conduta. Isso está em estudo na área técnica, na Secretaria de Vigilância e Saúde, e hoje tenho reunião com os secretários para tratar desse tema”, disse o ministro.

Queiroga afirma que o Ministério da Saúde segue orientações que estão sendo seguidas em outros países. “O CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos) já deu essa recomendação. O governo francês já deu essa autorização de profissionais de saúde que estão positivos de atender na linha de frente por conta do número de casos”, disse.

O Ministério pretende atuar também no aumento da testagem. “É necessário fazer a testagem para identificar o aumento no número de casos e fazer o isolamento das pessoas que estão positivas, não é só testar por testar”, apontou Queiroga.

Ele afirmou que os estados e municípios devem também agir e empregar parte dos orçamentos no combate ao crescimento dos casos de Covid-19 no país, assim como para o aumento da disseminação do Influenza.

“O SUS é tripartite, e estados e municípios também devem alocar parte dos seus orçamentos para enfrentamento da pandemia de covid-19. Não é só o tempo inteiro cobrar do ministério da saúde e lá na ponta adotar medidas de acordo com a sua ideia”, criticou o ministro.

Nos próximos 30 dias, a expectativa é que o governo tenha informações mais completas sobre os perigos relacionados à variante Ômicron. “Vamos esperar mais três ou quatro semanas para se ter uma ideia mais definitiva com relação ao potencial de letalidade”, disse o ministro.

Para Queiroga, as ações de combate ao crescimento de Covid e Influenza devem priorizar a região Norte por conta dos desafios estruturais. “O que nos preocupa mais é a região norte porque as coberturas vacinais são cronicamente mais baixas, e porque o sistema de saúde é mais frágil”, disse.

Sobre o cancelamento do carnaval de rua em várias cidades pelo Brasil, o ministro disse que “o Ministério nunca estimulou” a realização de grandes eventos ao longo da pandemia.

CNN Brasil / BG

Leitos Covid são usados para pacientes com outras síndromes gripais no RN

Com alto número de pessoas com sintomas gripais no Rio Grande do Norte, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) informou que passou a disponibilizar os leitos da rede Covid para pacientes com outras síndromes gripais que tenham teste negativo para covid-19. A pasta disse que está resguardando as medidas de biossegurança para evitar infecção nos pacientes.

Para manter a transparência e correta divulgação dos dados, a Sesap e o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) da UFRN promoveram uma atualização do RegulaRN, trazendo a diferenciação da ocupação de leitos entre casos de covid-19 e de outras síndrome gripais.

Segundo a Sesap, a utilização destes leitos se faz necessária em virtude do surto gripal que atinge não somente o RN, mas todo o país, e só é possível pela baixa demanda de internações por covid-19. A Sesap seguirá monitorando a situação, aguardando o fim do surto gripal para que se retorne os leitos à assistência para covid-19.

Tribuna do Norte /BG

Após vacinas, mundo registra mais de 2,5 milhões de casos de Covid pelo 4º dia seguido

Foto: Seth Wenig / AP

Em meio à proliferação da variante ômicron do novo coronavírus, que é altamente contagiosa, o mundo registrou mais de 2,5 milhões de casos de Covid-19 pelo quarto dia seguido.

  • Segunda-feira (3): 2,52 milhões de novos infectados
  • Terça-feira (4): 2,54 milhões
  • Quarta-feira (5): 2,51 milhões
  • Quinta-feira (6): 2,52 milhões

Antes da atual onda, o recorde de novos infectados era de 905 mil casos em 24 horas, registrados em 25 de abril de 2021, em meio ao caos sanitário causado na Índia pela variante delta.

á são mais de 10 milhões de novos infectados apenas nesta semana e mais de 13 milhões nos últimos 7 dias.
Em meio à explosão de infectados pela ômicron, o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou na quinta sobre o risco do “tsunami de casos”.

Tedros afirmou que essa onda atual é tão grande e rápida que está superlotando hospitais e afastando profissionais da saúde: “A ômicron pode parecer menos severa, mas não pode ser considerada leve”.

G1/BG

Falta vacina da gripe em pelo menos 40 cidades do RN

Foto Ilustrativa: Reprodução

De acordo com levantamento da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN), pelo menos 40 municípios do Rio Grande do Norte estão sem vacina contra a Influenza. Último levantamento foi realizado em 18 de dezembro do ano passado e não há atualizações, além de 40 cidades não terem informado a secretaria sobre a situação de seus estoques.

Segundo a Sesap, 200 mil doses foram solicitadas ao Ministério da Saúde (MS), mas ainda não houve retorno até o momento. “O Estado solicitou 200 mil doses para reforçar a campanha de imunização, mas até agora nós não tivemos resposta, embora o ofício com o pedido tenha sido enviado há poucas semanas”, disse a Sesap.

Além da falta do imunizante, a expectativa é que, mesmo onde há estoque, as doses estejam em quantidade mínima. No início da segunda quinzena de dezembro, de acordo com os dados da Sesap, grande parte dos municípios tinha menos de 500 unidades disponíveis.

Em Natal, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS/Natal) informou, por meio de nota, que as últimas doses da vacina vêm sendo aplicadas desde a última quinzena de dezembro de 2021. Segundo a pasta, o estoque da Central de Armazenamento do Município está zerado, mas algumas unidades de saúde ainda possuem um “quantitativo mínimo à disposição da população”.

A SMS/Natal informou que foram aplicadas cerca de 370 mil doses da vacina, recebidas do Ministério da Saúde para a campanha anual de imunização em 2021. Em Parnamirim, na Região Metropolitana, o imunizante está em falta desde a semana passada. A Secretaria de Saúde do Município esclareceu que recebeu, na última semana, 400 doses da Sesap, as quais foram administradas em apenas dois dias.

A coordenadora de imunização de Macaíba, Flávia Medeiros, explicou que a Secretaria de Saúde recebeu 300 doses na semana passada, as quais se somaram a outras 200 ainda existentes no Município até então. “Tudo foi distribuído para as unidades de saúde e nós estamos colhendo os dados para saber se ainda há doses”, respondeu a coordenadora no final da manhã dessa segunda-feira (3). Em São Gonçalo do Amarante, outro município da Região Metropolitana, as doses acabaram na semana passada.

Tribuna do Norte /BG

Audiência pública nesta terça deve definir diretrizes para vacinação de crianças

O encontro acontece após a conclusão da consulta pública realizada pelo governo federal, que recebeu 24 mil contribuições / JOAO GABRIEL ALVES/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

Ministério da Saúde faz uma audiência pública nesta terça-feira, 4, para debater a inclusão das crianças com idades entre 5 e 11 anos no Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19. O encontro acontece após a conclusão da consulta pública realizada pelo governo federal, que recebeu 24 mil contribuições. A expectativa é que o anúncio oficial sobre a vacinação pediátrica seja feito nesta quarta-feira, 5. No geral, o governo defende que a imunização de 5 a 11 anos seja feita com autorização dos pais e prescrição médica. A expectativa é da entrega inicial de 20 milhões de vacinas pediátricas até março. “Podem ficar tranquilos, todos os pais e mães que quiserem vacinar seus filhos de 5 a 11 anos poderão”, afirmou o ministro Marcelo Queiroga.

De acordo com ele, a audiência desta terça-feira busca ampliar a discussão sobre o tema. Segundo dados do IBGE de 2018, há 20,5 milhões de crianças com idades de 5 a 11 anos. Em nota, a Assessoria Brasileira de Alergia e Imunologia afirmou que o risco de morrer de Covid-19 nesta faixa etária é de 10 mil a 200 mil vezes maior do que o risco de ter uma reação adversa ao imunizante. A entidade é favorável à vacinação das crianças e afirma que a consulta pública não cabe, já que a aplicação dos imunizantes deve ser uma questão de saúde pública, não de opinião.

Jovem Pan

Bolsonaro tem quadro de saúde estável, mas sem previsão de alta, diz boletim médico

Crédito: Reprodução/YouTube
Foto reprodução de internação antiga

O presidente Jair Bolsonaro foi internado na madrugada desta segunda-feira, 3, em um hospital de São Paulo. Ele chegou na capital paulista por volta das 2h da manhã e foi encaminhado para o Hospital Vila Nova Star, na Zona Sul, com fortes dores abdominais. Ele deve passar por uma série de exames ao longo do dia e ficar em observação. O presidente estava de férias em Santa Catarina desde 27 de dezembro, mas sentiu fortes dores na noite deste domingo, viajando para São Paulo durante a madrugada. Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) afirmou que Bolsonaro deu entrada na unidade de saúde após sentir um desconforto abdominal, mas “passa bem”. O Hospital Vila Nova Star informou que o presidente tem um quadro de suboclusão intestinal, está estável e em tratamento. Ainda não há informações se ele vai precisar de uma cirurgia. Segundo o boletim médico, não há previsão de alta.

A nota do hospital é assinada pela equipe do médico Antônio Luiz Macedo, que acompanha o presidente desde 2018, quando ele recebeu a facada durante a campanha eleitoral e começou a ter problemas intestinais. No Twitter, Bolsonaro afirmou que começou a passar mal após o almoço de domingo, chegou ao hospital em São Paulo às 3 horas da manhã e que colocaram sonda nasogástrica. O presidente ainda afirma que passará por mais exames para verificar a necessidade de cirurgia. A última vez que Bolsonaro foi internado no hospital foi em julho do ano passado, quando ele foi tratar justamente uma obstrução intestinal. Na ocasião, os médicos já cogitavam realizar uma cirurgia no presidente, mas o procedimento não foi realizado e o mandatário recebeu alta após quatro dias de internação.

Jovem Pan

Secretário promete Hospital de Natal ainda em 2022 e avalia que “o pior já passou” sobre a Covid

Foto: Magnus Nascimento/TN

O novo Hospital Municipal de Natal será o grande projeto da Saúde da capital em 2022, afirma o titular da área George Antunes em entrevista à Tribuna do Norte. Orçado em cerca de R$ 130 milhões, a previsão é de que a unidade comece a ser construída no primeiro semestre. Com 220 leitos, sendo 180 de internação; 10 leitos de UTI neonatal; 10 leitos de UTI pediátrica; 20 leitos de UTI adulto; internação; obstetrícia; pediátrica; neonatal; clínica médica e cirúrgica, o hospital vai se destinar ao atendimento de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Ao ser questionado sobre a situação da COVID, ele disse: “Para mim, a ômicron não me deixa tão assustado. Só peço que a população tenha mais um pouco de paciência com a máscara, com as aglomerações. Já dá para se reunir, fazer festa, caminhar, correr, andar na praia sem a máscara, mas nos ambientes fechados ainda é preciso e os cuidados com a higienização são importantes. O pior já passou”.

Tribuna do Norte /BG