Category: Internacional

Talibã diz ter encontrado 12,3 milhões de dólares em espécie e várias barras de ouro nas casas de ex-membros do governo afegão

Foto da Internet

O Banco Central do Afeganistão informou, nesta quarta-feira (15), que os combatentes talibãs entregaram 12,3 milhões de dólares (cerca de R$ 64 milhões) em espécie e várias barras de ouro, recuperados das casas de ex-autoridades do governo anterior, incluindo a do ex-vice-presidente Amrullah Saleh.

“O dinheiro recuperado proveio de funcionários de alto escalão no governo anterior (…) e de uma série de agências de segurança nacional que tinham dinheiro em espécie e ouro em suas casas”, afirmou o comunicado.

Nesta semana, os membros do grupo anunciaram que estavam investigando contas bancárias de ex-funcionários de alto escalão do governo afegão em busca de eventuais rendas ilícitas.

O governo do então presidente Ashraf Ghani foi acusado de corrupção e de ter desviado milhões de dólares recebidos pelo país em ajuda estrangeira.

O talibã afirma que o próprio Ghani levou milhões de dólares quando fugiu para de Cabul para Abu Dhabi quando o grupo extremista ocupou a capital afegã. O ex-presidente nega que tenha levado valores ao deixar o país.

Para evitar o colapso do sistema bancário, cada afegão pode sacar apenas o equivalente a 200 dólares (aproximadamente R$ 1.043) por semana.

Segundo ex-presidente interino do Banco Central afegão, o país estaria sem o acesso à 9 bilhões de dólares (R$ 46,9 bilhões) desde a retomada do controle do Afeganistão pelo Talibã.

R7/BG

PREJUÍZO: EUA teriam deixado para trás em retirada R$ 93 bilhões em armas e veículos ao Talibã

Força especial talibã totalmente ‘americanizada’ Foto: Reprodução

Aquela imagem de uma força sem muitos recursos, com integrantes exibindo roupas civis, armas ultrapassadas e usando sandálias ou chinelos vai aos poucos sendo desconstruída com o “novo” Talibã, que, pelo menos no seu exército, vai se modernizando.

Estima-se que os Talibãs herdaram, com a retirada das forças americanas, R$ 93 bilhões em armas e veículos militares abandonados, incluindo cerca de 200 mil armas de fogo e 20 mil Humvees apreendidos do Exército afegão. Há, ainda, centenas de veículos blindados resistentes a minas terrestres.

Oficiais de Inteligência dos EUA temem que haja cerca de 150 helicópteros e aviões para os insurgentes do Talibã usarem, incluindo 45 helicópteros UH-60 Black Hawk, contou o “Daily Mail”.

Tudo é muito novo para a milícia. Imagens publicadas em mídia social parecem mostrar extremistas pegando um helicóptero Black Hawk abandonado para um “passeio” perto de Kandahar. O helicóptero chegou a taxiou na pista desértica, mas o piloto não conseguiu fazer a aeronave voar.

Sete helicópteros Black Hawk, que custam cerca de R$ 110 milhões cada, chegaram ao Afeganistão no mês passado, antes de o Talibã assumir o controle de Cabul. O tipo de aeronave é considerado um dos mais ágeis para operações de combate.

“Enquanto eles (o Talibã) avançava, eles iam integrando às suas forças equipamentos ocidentais. Os EUA na verdade armaram o exército do Talibã”, afirmou Bill Roggio, editor do “Long War Journal”, baseado nos EUA.

Um dos retratos mais claros da “virada de página” militar do Talibã é a força especial batizada de Badri 313. Os seus membros foram “americanizados”, usando uniformes e equipamentos americanos confiscados do Exército afegão, deixando para trás a imagem mais comum que se tem de um combatente fundamentalista afegão. Os extremistas pintaram o slogan “Força Vitoriosa” na lateral de um transporte blindado M1117, feito nos EUA ao custo de R$ 4 milhões. Em vez dos clássicos fuzis soviéticos AK-47, os membros da Badri 313 exibem modernos rifles americanos M4 e óculos de visão noturna. A unidade está a cargo da segurança nos tensos arredores do aeroporto de Cabul.

O nome da força especial vem de um episódio relatado pela fé islâmica há 1.400 anos, quando o profeta Maomé teria aniquiliado os seus inimigos na batalha de Badr com um exército de apenas 313 homens. Especialistas avaliam que em países vizinhos não haja um grupamento tão bem aparelhado.

“Quando um grupo armado coloca as mãos em armamentos de fabricação americana, é uma espécie de símbolo de status. É uma vitória psicológica”, afirmou ao site “The Hill” Elias Yousif, vice-diretor do Monitor de Assistência à Segurança do Centro de Política Internacional.

Enquanto isso, nas sua campanha de reforma do país, o Talibã impõe aos civis uma série de alterações nos costumes, disseminados durante duas décadas de ocupação pelas forças dos EUA, incluindo a proibição de música e do uso de calça jeans, outro símbolo americano.

Extra – O Globo /BG

ACORDA BRASIL! Com aposentadoria equivalente a R$ 5, idosos pedem dinheiro nas ruas das Venezuela

Luis Diaz trabalha em sua horta no bairro de La Vega, em Caracas (Venezuela) para ter o que comer – FEderico Parra/AFP

Dezenas de idosos, tanto homens quanto mulheres, perambulam pela capital venezuelana vendendo balas, pedindo esmolas ou revirando lixo para conseguir comer. Com a aposentadoria mensal de 7 milhões de bolívares, pouco mais de US$ 1 ou R$ 5, eles representam o retrato mais gritante do empobrecimento da população na Venezuela. A situação da terceira idade no país bolivariano foi retratada em uma pesquisa feita pela ONG Convite.

Em frente a um restaurante em Caracas, uma idosa revira o lixo na esperança de conseguir “colocar algo no estômago”. Sem querer se identificar, ela explica que não consegue comprar sequer uma das refeições vendidas no estabelecimento por US$ 1,50.

“Há meses busco assim algo para comer. Às vezes consigo boa comida. Em outras, ainda que esteja apodrecida, como por não ter outra opção”, contou ela à reportagem da RFI Brasil.

Até mesmo nas imediações da Assembleia Nacional, agora de maioria chavista, um considerável número de pessoas acima dos 60 anos tenta “rebuscarse”, palavra usada na Venezuela como sinônimo de “dar um jeitinho”. Os idosos vendem de balas a artigos usados, muitos deles conseguidos no lixo. Outros, sentados, pedem esmolas explicando que têm fome.

No metrô da capital venezuelana, pessoas de idade também circulam pelos vagões pedindo ajuda ou vendendo mercadorias baratas. É o caso de Manolo. Aos 75 anos, magro e com as roupas remendadas, ele vende balas “porque nós, velhos, já não podemos trabalhar em empresas. Temos que sustentar a família. Eu sei soldar, fazer mecânica, mas…”, conta ele insinuando que o peso da idade o distancia de melhores oportunidades.

Cada drops de caramelo vendido por Manolo custa 100 mil bolívares, valor inferior a uma passagem de ônibus, cujo preço varia entre 500 mil e 1 milhão de bolívares. O que consegue com a venda dos doces vai “para a comida”, explica. O idoso afirma sustentar 13 pessoas. A esposa, “doente de uma perna”, não consegue trabalhar.

A pesquisa divulgada pela ONG Convite destaca que 28% dos idosos entrevistados ainda trabalham. Um dado alarmante é que 80% dos entrevistados recebem entre US$ 1 e US$ 10 por mês, enquanto 40% informou ganhar entre US$ 1 e US$ 5 mensais. Um significativo número de entrevistados trabalha informalmente.

De acordo com o Observatório Venezuelano de Segurança Alimentar e Nutricional (OVSAN), mais de 50% dos moradores de Caracas apresentam “alto nível de angústia” por falta de alimentos em suas casas. Não há índices sobre o interior do país, onde a situação é ainda pior que na capital venezuelana.

Morador de uma região popular de Caracas, Manolo lembra que “antes havia estabilidade, havia tudo. Hoje em dia, não. É preciso ter três trabalhos. Faço soldas, vendo balas e recebo a aposentadoria, que não dá para comprar uma ‘harina pan’”, conta se referindo à farinha de milho usada no preparo da arepa, o tradicional pãozinho dos venezuelanos.

O alto preço dos alimentos levou 38% dos idosos entrevistados a reduzir a variedade de alimentos na maioria das refeições. Já 42% reduziram algumas vezes a quantidade servida de comida.

Cesta básica de 162 salários

Consciente da situação de carência alimentar de muitos idosos no auge da pandemia de Covid-19, quando o comércio precisou fechar suas portas, um grupo de voluntários e de empresas doadoras organizaram o Plano Bom Vizinho. Eles distribuíam refeições a idosos cadastrados em um banco de dados. O voluntariado chegou a entregar em um só dia mil refeições em diversos bairros da capital venezuelana. No entanto, a iniciativa terminou em dezembro passado.

Para que uma família de quatro pessoas consiga cobrir as necessidades básicas são necessários 162 salários-mínimos, de acordo com a ONG Convite. Em julho deste ano, a inflação venezuelana chegou a 19%, pelos dados do Observatório Venezuelano de Finanças.

Luis Francisco Cabezas, diretor da ONG, explica que, “em 2016, a aposentadoria recebida pelos idosos venezuelanos cobria cerca de 90% da cesta alimentar. Hoje, o pagamento não cobre sequer 1% dessa mesma cesta básica. Essa é uma fotografia da dramática situação dos idosos”.

Saúde em jogo

Manolo gasta em remédios, para o tratamento da companheira, “cerca de 15 dólares. Se não consigo dinheiro para comprar, a ferida cresce mais”.

A crítica situação dos idosos na Venezuela também é perceptível na internet, onde muitas são as campanhas pedindo doações em dinheiro para tratamentos ou para operações de idosos.

Cerca de 92% das pessoas da terceira idade não têm plano de saúde na Venezuela, sendo que 71% delas precisam usar remédios constantemente. Para 48%, os medicamentos são comprados com dificuldade, aponta a pesquisa da Convite. Sem ter como comprar remédios, os venezuelanos recorrem a chás e remédios alternativos.

A vacinação dos idosos também se transformou em um problema. A Venezuela é um dos países que usou a vacina russa Sputnik V para combater a pandemia de covid-19. O problema é que não há disponibilidade de vacina para a segunda dose, deixando os idosos bastante angustiados por não conseguirem a imunização completa.

Desde o início da campanha de imunização até hoje, dezenas de pessoas, muitas da terceira idade, se aglomeram todos os dias em frente aos centros de vacinação, expondo-se a um maior risco de contágio.

Empobrecimento à vista

“Nos últimos cinco anos, a situação dos idosos na Venezuela passou de preocupante para dramática”, define Luis Francisco Cabezas, diretor da ONG Convite.

No próximo mês de outubro, o Banco Central Venezuelano cortará seis zeros do bolívar, que passará a ser chamado de bolívar digital.

Em vez de melhorar a situação, a medida deve agravar ainda mais a crise econômica, na opinião da economista e professora universitária Zugem Chamas. Por 36 horas de aula ministradas por mês na outrora renomada Universidade Central da Venezuela, ela recebe 9 milhões de bolívares (cerca de R$ 12). “Pensei que poderia ter certa tranquilidade na aposentadoria. Nunca pensei que ficaríamos assim. Agora vivo com a ajuda da minha filha”.

A pesquisa divulgada pela Convite aponta que 75% dos idosos recebem ajuda econômica de familiares.

Abandono de idosos

A imigração de mais de 5,5 milhões de venezuelanos impactou não apenas a pirâmide produtivo-social do país, mas deixou à mingua centenas de idosos, cujos filhos e netos precisaram deixar a Venezuela em busca de melhores oportunidades. “Isso dá uma ideia da grande fragilidade que este grupo sofre no país”, detalha Cabezas.

Alguns desses imigrantes enviam remessas em moeda estrangeira, mas a pandemia criou um “hiato”, deixando alguns idosos sem esses recursos. “Muitos idosos dependiam das remessas enviadas por familiares, mas este envio perdeu força tanto na quantidade como na regularidade. Além disso, o que era comprado há três anos com US$100, hoje é muito mais caro”, detalha Cabezas.

E os sites, redes sociais, além de outros ambientes virtuais, que funcionam para muitos como uma “conexão com o mundo exterior”, para muitos idosos venezuelanos, são um fator de isolamento. A maioria não sabe usar — ou nem mesmo comprar — aparelhos tecnológicos, sejam celulares, sejam computadores, nem sabem navegar na Internet.

UOL, com RFI / BG

Papa reza pelo Afeganistão: encontrar soluções na mesa do diálogo

Talibãs entram em Cabul
Talibãs entram em Cabul  (AFP or licensors)

Após a oração do Angelus, Francisco uniu-se à preocupação unânime pela situação no país e implorou que cesse o barulho das armas. Após a capitulação das principais cidades afegãs, a capital também se rende ao avanço dos Talibãs. As embaixadas organizam sua evacuação.

Antonella Palermo, Silvonei José  – Vatican News

“Peço-lhes que rezem comigo ao Deus da paz para que cesse o barulho das armas e as soluções possam ser encontradas na mesa do diálogo. Somente assim a martirizada população daquele país – homens, mulheres, idosos e crianças – poderá voltar para suas casas e viver em paz e segurança no pleno respeito mútuo”.

Foi assim que o Papa Francisco, ao meio-dia deste domingo, após o Angelus na Praça São Pedro, uniu-se “à preocupação unânime pela situação no Afeganistão”, onde os Talibãs também ocuparam a capital Cabul.

Os Talibás em Cabul

Os Talibãs estão entrando em Cabul de todos os lados. Helicópteros aterrissaram perto da embaixada americana na capital, enquanto veículos diplomáticos estão deixando o complexo. Com a capitulação de Mazar-i-Sharif, Maymana e Jalalabad – a quinta maior cidade do Afeganistão – o número de capitais de província que caíram nas mãos dos Talibãs subiu para 26. A maioria das cidades se rendeu sem lutar. Procedendo com grande rapidez, os Talibãs conseguiram controlar todos os postos de fronteira no Afeganistão e o aeroporto de Cabul, continua sendo a única saída do país.

O Ministro do Interior paquistanês, Sheikh Rashid Ahmed, confirmou que os Talibãs haviam conquistado o lado afegão do vale de Torkham, a última travessia restante controlada pelo governo.

O Reino Unido está preparando a evacuação do embaixador britânico em Cabul, Sir Laurie Bristow. Seiscentos soldados estão destacados na capital para a evacuação dos demais cidadãos britânicos e afegãos que colaboraram com o exército de Londres.

Vatican News

Idosos no Chile começam a tomar terceira dose da CoronaVac

Foto: © Reuters/Ivan Alvarado/Direitos Reservados

O Chile começou, nessa quarta-feira (11), a administrar vacinas de reforço contra a covid-19 àqueles já imunizados com a CoronaVac, em uma tentativa de garantir o sucesso de uma das campanhas de vacinação em massa mais rápidas do mundo.

O país sul-americano está oferecendo uma dose da AstraZeneca para cidadãos com 86 anos ou mais que tomaram as primeiras vacinas antes de 31 de março.

Filas de cidadãos idosos, ansiosos para a aplicação das vacinas, começaram a se formar nos centros de imunização de bairros da capital, Santiago, em uma fria manhã de inverno.

“Eles chegaram muito cedo, como em um dia de eleição, muito bem vestidos, muito felizes”, disse Rodolfo Carter, prefeito da comuna de La Florida, nos arredores da cidade. “Acho que é um grande sinal de esperança.”

A forte campanha do Chile teve mais de 67% de sua população totalmente vacinada, predominantemente com a CoronaVac, da fabricante chinesa Sinovac. Mas as autoridades disseram, na semana passada, que estudos mostraram que uma dose de reforço era necessária para aumentar a imunidade.

“Estudos têm mostrado que em aproximadamente seis meses há uma diminuição (de anticorpos) e é por isso que decidimos dar essa dose de reforço”, disse o ministro da Saúde, Enrique Paris, a repórteres.

O Chile se junta aos Estados Unidos, à Alemanha, França e a Israel ao administrar as doses de reforço, apesar do apelo da Organização Mundial da Saúde para esperar até que mais pessoas no mundo possam receber a primeira dose.

Agência Brasil, com Reuters / BG

Governador de Nova York renuncia ao cargo após denúncias de assédio

Foto: Mike Segar – 24.mar.2020/ Reuters

O governador de Nova York Andrew Cuomo anunciou, na tarde desta terça-feira (10), sua renuncia ao cargo. A decisão vem após uma investigação da promotoria do estado de Nova York acusá-lo de ter assediado sexualmente diversas mulheres.

Com isso, a vice-governadora do estado Kathy Hochul assumirá o cargo. O governador informou que sua renúncia entrará em vigor em 14 dias.

Há uma semana, a procuradoria-geral de Nova York divulgou informações sobre uma investigação cujo relatório final apontou que o governador democrata assediou sexualmente atuais e ex-funcionárias do estado, bem como várias mulheres fora do governo estadual.

O número de vítimas inicialmente informado pela investigação foi de 11 mulheres.

Em coletiva de imprensa feita para anunciar seu afastamento, Cuomo negou as acusações feitas pela procuradoria, mas pediu desculpas a mulheres que “ofendeu”.

“Isso não é para dizer que não existem 11 mulheres que eu realmente ofendi. Existem. E, por isso, eu peço sinceras desculpas. Eu pensei que um abraço e colocar meu braço ao redor de uma pessoa da equipe eram gestos amigáveis, mas ela sentiu que eu fui longe demais. Eu beijei uma mulher na bochecha em um casamento e pensei que fosse amigável, mas ela sentiu que foi agressivo demais”, afirmou.

“Eu escorreguei e chamei pessoas de ‘querida’, e quis ser carinhoso, mas mulheres acharam isso ofensivo. Eu assumo totalmente as responsabilidades pelas minhas ações”, declarou.

Cuomo ainda acrescentou que possui um “senso de humor” que pode ser mal interpretado pelas pessoas, e que tem feito isso ao longo de toda sua vida. “Na minha mente, eu nunca cruzei os limites com ninguém, mas não percebi a extensão da linha que havia sido redesenhada”, alegou.

Histórico

A investigação, detalhada em um relatório de 168 páginas, concluiu que Cuomo apalpou, beijou ou fez comentários sugestivos para mulheres, incluindo atuais e ex-funcionários do governo –uma delas policial estadual– e retaliou pelo menos uma mulher que o acusou de má conduta sexual. Cuomo nega qualquer irregularidade.

A vice-governadora Kathy Hochul, uma democrata do oeste de Nova York, assumirá como governadora do Estado de mais de 19 milhões de pessoas até o final do mandato de Cuomo em dezembro de 2022, conforme definido na Constituição estadual, tornando-se a primeira mulher a ocupar o cargo.

A renúncia de Cuomo marca a segunda vez em 13 anos que um governador de Nova York renuncia após um escândalo –em 2008 foi Eliot Spitzer que deixou o cargo por envolvimento com prostitutas.

Como também se tornou o mais recente homem poderoso derrubado após a ascensão do movimento social #MeToo contra o abuso e assédio sexual que abalou a política, Hollywood, o mundo dos negócios e os locais de trabalho.

Sua renúncia poupou Cuomo de uma possível destituição do cargo por meio de um processo de impeachment na Assembleia estadual. Uma investigação de impeachment em andamento apenas prometeu se intensificar.

Com informações da Reuters e CNN /BG

PIB dos EUA cresce 6,5% no segundo trimestre e fica abaixo do esperado

Bandeira dos EUA (Shutterstock)

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu à taxa anualizada de 6,5% no 2º trimestre de 2021 em relação aos três meses anteriores, de acordo com a primeira estimativa.

Os dados são do escritório de estatísticas do BEA (Bureau of Economic Analysis), do Departamento de Comércio do país divulgados nesta quinta-feira (29).

O resultado ficou bem abaixo da alta de 8,5% projetada pelos economistas, segundo dados compilados pela Refinitiv.

No primeiro trimestre de 2021, o PIB dos EUA teve expansão anualizada de 6,1%, 0,1 ponto porcentual abaixo da estimativa anterior.

O Departamento do Comércio americano informou também que o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) subiu à taxa anualizada de 6,4% entre abril e junho.

Já o núcleo do PCE, que desconsidera preços de alimentos e energia, avançou 6,1% no mesmo intervalo.

Transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos é possível. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

InforMoney

França tornará passe sanitário obrigatório em transportes a partir de agosto

Macron impõe vacina para profissionais de saúde e passe sanitário na França
Macron impõe vacina para profissionais de saúde e passe sanitário na França / Foto da Internet

A França vai impor o passe sanitário aos transportes de longa distância entre 7 e 10 de agosto – anunciou o ministro dos Transportes, Jean-Baptiste Djebbari, nesta quarta-feira (28).

A obrigação de mostrar o passe sanitário será aplicada, principalmente, aos voos domésticos e aos trens de longa distância intermunicipais e noturnos, detalhou o ministro, acrescentando que haverá controles “ostensivos”, mas “não sistemáticos”.

O passe é dado a qualquer pessoa que esteja vacinada, ou que apresente um teste negativo para covid-19.

Também nesta quarta, o ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer, anunciou que apenas os alunos de Ensino Médio não vacinados terão de continuar nas aulas remotas, caso seja detectado um caso de covid-19 em sua turma. A medida será aplicada no início do novo ano letivo, em setembro.

“Nos centros de Ensino Médio, apenas os alunos não vacinados serão retirados e terão de continuar o ensino a distância”, enquanto os demais poderão continuar em classe, declarou à rede Franceinfo.

Já as turmas de Ensino Básico serão fechadas por completo, se for detectado um caso positivo.

Os contágios na França voltaram a subir, embora o aumento no número de casos ainda seja moderado, graças à campanha de vacinação.

Na terça-feira, as autoridades sanitárias anunciaram que um francês a cada dois está totalmente vacinado contra a covid-19.

* AFP

Ministro da Defesa de Israel viaja à França por escândalo do software de espionagem Pegasus

França reabre fronteiras no dia 9, mas coloca Brasil na lista vermelha |  Internacional e Commodities | Valor Investe
Foto da Internet

Oministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, viajará esta semana à França para informar as autoridades deste país sobre os últimos acontecimentos a respeito da NSO, empresa de segurança cibernética israelense cujo software Pegasus é suspeito de ter sido utilizado para espionar o presidente Emmanuel Macron.

“Na quarta-feira, o ministro da Defesa, Benny Gantz, viaja à França para se reunir com a ministra das Forças Armadas, Florence Parly, e ter um diálogo sobre questões estratégicas e segurança”, anunciou o ministério em um comunicado.

“Vai informar a ministra sobre o tema NSO”, acrescenta a nota.

“A ministra das Forças Armadas aproveitará esta reunião prevista há muito tempo para saber qual conhecimento o governo israelense possuía sobre as atividades dos clientes de NSO e quais dispositivos lançou – e quais serão lançados no futuro – para prevnir um mau uso dessas ferramentas”, informaram no entorno Florence Parly.

O programa de espionagem Pegasus está no centro de um escândalo internacional que levou a chanceler alemã Angela Merkel a exigir mais restrições na venda de tais sistemas.

A ONG Repórteres Sem Fronteiras exigiu uma moratória sobre o uso do software.

As organizações Forbidden Stories e Anistia Internacional obtiveram uma lista de 50.000 números de telefones, selecionados por clientes da NSO desde 2016 para uma possível vigilância, e a compartilharam com um consórcio de 17 veículos de imprensa, que divulgaram a existência da mesma na semana passada.

De acordo com as informações do consórcio de imprensa, Pegasus espionou o telefone de pelo menos 180 jornalistas, 85 ativistas dos direitos humanos e 14 chefes de Estado, incluindo o presidente francês Emmanuel Macron, acusações que a NSO nega.

Moradores da França desconfiam que o país esteja se transformando em uma ditadura. Reclamam da obrigatoriedade de manter os animais com chips de identificações, que as pessoas já não tem liberdade como tinham antes.

Em

Especialistas da ONU preparam relatório IPCC sobre clima

Área atingida pelas inundações em Kreuzberg, Alemanha
Os efeitos das mudanças climáticas estão sendo sentidos com cada vez mais força (Wolfgang Rattay/Reuters)

Representantes de quase 200 países se reúnem a partir de segunda-feira, 26, durante duas semanas, para adotar o novo relatório dos especialistas sobre o clima da ONU, um texto de referência que será publicado em 9 de agosto, e que serve como norte para políticas ambientais em todo o planeta e que definem o futuro da humanidade, afetada por uma série de catástrofes naturais.

Desde o último relatório de avaliação dos cientistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), em 2014, o mundo mudou consideravelmente. O Acordo de Paris de dezembro de 2015 estabeleceu como objetivo limitar o aquecimento global “muito abaixo” de +2°C na comparação com a era pré-industrial e, se possível, de +1,5°C. Se o avanço da temperatura continuar no mesmo ritmo, o  aumento de 1,5ºC ocorrerá entre 2030 e 2052 — ou seja, dentro da expectativa de vida de boa parte da população.

Nas últimas semanas, o planeta registrou uma onda de calor sem precedentes no Canadá, incêndios no oeste dos Estados Unidos, inundações catastróficas na Alemanha e na Bélgica e chuvas torrenciais na China. Todas estas alterações haviam sido previstas nos relatórios anteriores sobre o clima.

“Os sinais de alerta estavam aí, mas imagino que as pessoas pensem que acontecerá com os outros, em outro lugar, mais tarde”, comenta Kaisa Kosonen, do Greenpeace.PUBLICIDADE

Até alguns cientistas foram pegos desprevenidos. “O clima mudou mais rápido do que se esperava”, declarou Tim Lenton, da Universidade de Exeter, para quem a forma de atuação do IPCC, por consenso, levou-o a “moderar” sua mensagem no passado.

As pesquisas que devem basear o documento apresentam indícios claros. “Se não reduzirmos nossas emissões na próxima década, não vamos conseguir. O mais provável é que (a meta de) +1,5°C seja alcançada entre 2030 e 2040. Esta é a melhor estimativa que temos hoje”, disse à AFP o climatologista Robert Vautard, um dos autores da primeira parte da avaliação do IPCC.

O documento do IPCC deve ter outros capítulos publicados ao longo do anos meses e até chegar em seu último capítulo em 2022. A parte que inclui os impactos deve mostrar que a vida na Terra mudará em 30 anos, ou mesmo antes. Estes efeitos serão divulgados depois da COP26, a conferência do clima da ONU prevista para acontecer em novembro, em Glasgow.

Muitos esperam que o relatório a ser apresentado em agosto pressione os governos para que apliquem as políticas necessárias. “Estamos enfrentando diariamente a destruição e o sofrimento (…). É importante reconhecer que falamos do futuro do planeta. Não podemos brincar com isto”, insistiu esta semana Patricia Espinosa, um dos principais nomes da ONU para questões climáticas.

Exame

Brasileiros já podem viajar para o exterior na codição de turistas, vejam alguns destinos

Foto: Divulgação/Divulgação

Com o avanço da vacinação, vários países retomam o turismo internacional. Para o Brasil, a lista de destinos ainda é restrita, mas aos poucos é ampliada com a exigência da imunização e de testes negativos para a Covid-19.

Nessa segunda-feira 19, o Canadá anunciou que reabrirá em setembro suas fronteiras para os brasileiros totalmente vacinados com imunizantes aprovados pelo governo do país. Durante o final de semana, a França tomou uma decisão semelhante. A Suíça já havia comunicado a abertura no final de junho.

Na Europa, pelo menos cinco países já estão aceitando brasileiros, com exigência de quarentena ou comprovante de vacinação. Na América do Sul e Central os nacionais também podem viajar a alguns destinos, a maioria com restrições.

Confira abaixo a lista de alguns dos principais destinos para onde os brasileiros já estão autorizados a viajar e as condições exigidas:

Canadá

O país reabre para brasileiros vacinados totalmente contra a Covid-19 com imunizantes da AstraZeneca, Pfizer, Janssen e Moderna, mas não Coronavac. A medida vale a partir de 7 de setembro. Os voos da Air Canada entre São Paulo e Toronto têm retomada prevista para 2 de setembro, sendo a primeira decolagem do Brasil no dia seguinte.

França

A França está aberta para brasileiros vacinados completamente com imunizantes aprovados pela Agência Europeia de Medicamentos (European Medicines Agency – EMA). São eles Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Janssen. O órgão começou em maio a analisar o imunizante da Sinovac, fabricante da Coronavac, e ainda não divulgou seu parecer.

Suíça

A Suíça abriu suas fronteiras ao turismo no final de junho. Brasileiros podem entrar no país com a apresentação de um comprovante de vacinação contra o coronavírus. São aceitos os imunizantes dos fabricantes Pfizer/BioNTech, Moderna, Janssen, AstraZeneca, Sinovac (Coronavac), Sinopharm e Serum Institute of India.

Croácia

As exigências da imigração croata para a entrada de brasileiros vindos do Brasil são o exame PCR negativo feito nas últimas 48 horas antes da chegada e uma quarentena de 14 dias. Há multas para quem descumprir o isolamento

Irlanda

Para entrar na Irlanda, os brasileiros devem apresentar um comprovante negativo de teste PCR feito até 72 horas antes e realizar uma quarentena de 14 dias. Também há multas para quem descumprir a medida.

Eslováquia

O país anunciou nessa segunda-feira 19 a abertura de suas fronteiras para turistas de todo o mundo totalmente imunizados. É necessário apresentar o comprovante de vacinação na entrada.

México

O México tem entrada livre para os brasileiros. Não é preciso vacina, nem mesmo teste PCR.

Colômbia

A Colômbia reabriu ao turismo de brasileiros em 11 de maio. Desde a semana passada já não é mais obrigatória a apresentação de um teste PCR negativo, segundo o site do governo, porém companhias aéreas ainda podem requerer o exame.

Paraguai

Desde o início do mês, brasileiros devem cumprir quarentena de sete dias ao entrar no Paraguai devido à variante Delta do novo coronavírus. Em todos os casos, é exigida a apresentação de um teste negativo para ingressar no país. Após o isolamento é realizado novo teste.

Curaçao

Todo brasileiro que entra em Curaçao deverá apresentar um resultado negativo de um exame PCR, feito em até 72 horas antes do voo, ou um resultado negativo de um exame de antígeno feito num prazo máximo de 24 horas antes. O país ainda exige a realização de mais um teste, no terceiro dia de viagem, em um laboratório local.

Costa Rica

Já na Costa Rica, o resultado negativo do PCR não é exigido, mas os brasileiros precisam contratar um seguro de viagem obrigatório.

Equador

O país exige apresentação de um teste PCR ou antígeno para detecção do coronavírus de no máximo 72 horas antes e com resultado negativo dos brasileiros. A quarentena de 10 dias também é obrigatória.

Panamá

Todos os brasileiros devem apresentar teste negativo PCR realizado antes do voo e fazer um novo exame assim que chegar o país. Mesmo se o resultado do segundo teste for negativo, ainda é obrigatório cumprir quarentena de 3 dias.

Bahamas

Todos os turistas que visitam as Bahamas devem apresentar um teste PCR negativo feito no máximo cinco dias antes da viagem em sua entrada. Os viajantes totalmente imunizados podem apresentar comprovante de vacinação e serão isentos do exame.

Veja /BG

Reino Unido retira obrigação de uso de máscaras e limite de pessoas em reuniões nesta segunda

Foto: REUTERS/Hannah McKay

O governo do Reino Unido anunciou neste domingo (18) que as medidas de restrição contra a Covid-19 serão suspensas a partir desta segunda-feira (19). O dia tem sido chamado pelos britânicos de “Freedom Day” (Dia da Liberdade, em português).

O uso de máscaras não será mais obrigatório e não haverá mais limite para o número de pessoas que podem se reunir em ambientes internos ou externos. O distanciamento social será limitado a pessoas com teste positivo para o vírus.

A decisão, que seria implementada há quatro semanas, sofreu adiamentos com o objetivo de ampliar o público vacinado. Nesse período, 8 milhões de pessoas foram imunizadas. Mais de dois terços dos adultos britânicos estão completamente vacinados.

O primeiro-ministro Boris Johnson está em isolamento após contato com uma pessoa infectada, segundo comunicado do governo divulgado neste domingo. Johnson permanecerá afastado até o dia 26 de julho.

O fim das restrições será acompanhado de cinco medidas:

  • As restrições serão substituídas por orientações para que as pessoas possam tomar as próprias decisões em relação às medidas de proteção contra o vírus.
  • O intervalo entre as doses das vacinas aplicadas no país será reduzido de 12 para 8 semanas.
  • O governo manterá o sistema de testagem, rastreio de contato e isolamento para infectados. De acordo com as orientações, até 16 de agosto, as pessoas que tiveram contato com um caso positivo precisarão se isolar também. Após a data, quem estiver completamente imunizado fica livre da medida.
  • O controle da entrada de viajantes na fronteira será mantido com as mesmas regras atuais, que incluem medidas de quarentena.
  • Os dados epidemiológicos serão monitorados e medidas de contingência podem vir a ser adotadas em caso de necessidade, mas restrições serão evitadas se possível, segundo o governo.

O primeiro-ministro Boris Johnson fez um alerta para que todos os adultos que ainda não receberam a primeira ou a segunda dose da vacina busquem a imunização, como medida de proteção individual e coletiva.

De acordo com o governo, a preocupação se volta para os jovens adultos, que podem impulsionar a transmissão da doença. Todos os adultos maiores de 18 anos podem realizar o agendamento e quase 60% dos menores de 25 anos receberam pelo menos uma dose. O governo considera, ainda, que os casos possam continuar aumentando. No entanto, afirma que a campanha de vacinação reduziu significativamente os casos de hospitalização e morte pela doença.

CNN Brasil / BG

COVID-19: OMS pede transparência as autoridades da China sobre a origem do coronavírus

Surto de pneumonia em Wuhan: primeiro caso relatado fora da China - Época
O surto começou em Wuhan, no leste da China Foto: AFP

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que as investigações sobre as origens da pandemia de covid-19 na China estão sendo prejudicadas pela falta de dados brutos sobre os primeiros dias da disseminação do vírus no local e pediu ao país para ser mais transparente.

Uma equipe liderada pela OMS passou quatro semanas na cidade de Wuhan, na província de Hubei, com pesquisadores chineses e disse em um relatório conjunto publicado em março que o vírus provavelmente foi transmitido de morcegos para humanos por meio de outro animal.
Essa equipe disse que “a introdução por meio de um incidente de laboratório foi considerada um caminho extremamente improvável”, mas países como os Estados Unidos e alguns cientistas não ficaram satisfeitos.

“Pedimos à China que seja transparente e aberta, e que coopere”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (15).

“Devemos isso aos milhões que sofreram e aos milhões que morreram para saber o que aconteceu”, disse ele.

A China tem classificado a teoria de que o vírus pode ter escapado de um laboratório de Wuhan como “absurda” e disse repetidamente que “politizar” a questão dificulta as investigações.

Ghebreyesus informará aos 194 Estados-membros da OMS sobre uma proposta de segunda fase do estudo, disse o especialista em emergências da OMS, Mike Ryan.

“Esperamos trabalhar com nossos parceiros chineses nesse processo e o diretor-geral definirá medidas aos Estados-membros em uma reunião amanhã, na sexta-feira”, disse Ryan.

Agência Brasil

EUA: Biden tenta isolar a China do mundo por meio da Otan, diz matéria do Infomoney

Biden ataca leis para restringir acesso ao voto em discurso duro no berço  da democracia dos EUA - 13/07/2021 - Mundo - Folha
Foto da Internet

Em um evento sobre geopolítica da Ohmresearch, o economista Roberto Dumas Damas, que é professor do Insper, já morou na China trabalhando para o Itaú BBA e escreveu um livro sobre o país, disse que o presidente chinês, Xi Jinping, quer anexar Taiwan à China continental.

De acordo com Dumas, isso coloca a ilha na mira dos chineses, que dependem muito de semicondutores para alavancar suas indústrias de tecnologia da informação e inteligência artificial.

Ao mesmo tempo, o governo do presidente democrata, Joe Biden, dos Estados Unidos, já se mostrou interessado em recuperar a hegemonia global isolando a China por meio de instituições internacionais como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e de negociações costuradas com potências europeias.

No entanto, a maior economia da Ásia está tão integrada à cadeia mundial de produção que para isolá-la ou pressioná-la economicamente seria necessário pedir a Coreia do Sul, Japão e Taiwan para pararem de fornecer semicondutores.

Infomoney

Covid-19: 118 milhões de pessoas passaram a sofrer fome em 2020, diz relatório da FAO

FOTO: GETTY IMAGES

A pandemia de covid-19 contribuiu para o agravamento da fome em todo o mundo. É o que aponta o relatório anual O Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo, divulgado hoje (12) pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). De acordo com o estudo, em 2020, entre 720 milhões e 811 milhões de pessoas passaram fome em todo o mundo. Segundo o documento, desse total, mais de 118 milhões de pessoas começaram a passar fome no ano passado em razão da pandemia.

O relatório informa que, entre as pessoas que começaram a passar fome no ano passado, 14 milhões vivem na América Latina e no Caribe. Na África, o número dos que começaram a passar fome aumentou em 46 milhões em relação ao observado em 2019. Na Ásia, foram 57 milhões de pessoas a mais em comparação com o apurado em 2019.

O combate à desnutrição e à má nutrição, em todas as suas formas, continua sendo um desafio, diz o estudo da FAO, ao informar que, em todo o mundo, cerca de 30% das mulheres de 15 a 49 anos padecem de anemia e que a maioria das crianças desnutridas com menos de 5 anos vive na África e na Ásia. Essas regiões são o lar de nove em cada 10 crianças com atraso de crescimento, nove em cada 10 com peso abaixo do previsto para a idade e de sete em cada 10 com excesso de peso. A maioria das crianças desnutridas vive em países afetados por múltiplos fatores, como conflitos internos, desastres ambientais, crises econômicas, destaca o relatório.

O estudo da FAO ressalta ainda que o número de pessoas subalimentadas está aumentando, o progresso em relação ao atraso do crescimento infantil diminuiu e o sobrepeso e a obesidade em adultos aumentaram tanto nos países ricos quanto nos países pobres. O documento diz também que a situação poderia ter sido pior se diversos países não tivessem adotado medidas de proteção social, como o pagamento de auxílio emergencial.

“O efeito da pandemia covid-19 em 2020 ainda não pode ser totalmente quantificado, mas estamos preocupados que muitos milhões de crianças menores de 5 anos tenham sido afetadas por nanismo (149,2 milhões), definhamento (45,4 milhões) ou acima de peso (38,9 milhões). A desnutrição infantil continua a ser um problema, especialmente na África e na Ásia. A obesidade em adultos continua a aumentar, sem sinais de mudança de tendência global ou regional”, diz o documento da FAO. De acordo com o relatório, o esforço para erradicar a desnutrição em todas as suas formas foi prejudicado, inclusive em razão dos efeitos negativos sobre os hábitos alimentares durante a pandemia.

“Em termos de saúde, a interação entre a pandemia, a obesidade e as doenças não transmissíveis relacionadas à alimentação mostrou que é urgente garantir o acesso a dietas saudáveis e acessíveis para todos”, diz o relatório.

Elaborado em conjunto com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Programa Alimentar Mundial (PAM) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), o documento alerta ainda para o fato de que, com base na tendência atual, o mundo não deve cumprir a meta de acabar com a fome até 2030. De acordo o relatório, a fome mundial diminuirá lentamente para menos de 660 milhões em 2030. O número, entretanto, é superior em 30 milhões a mais de pessoas do que o esperado até 2030, o que aponta para a existência de efeitos duradouros da pandemia na segurança alimentar do mundo.

Para combater esse cenário, a FAO diz que os governos devem, entre outros pontos, fortalecer a capacidade econômica das populações mais vulneráveis; promover intervenções ao longo das cadeias de abastecimento de alimentos para reduzir o custo de alimentos nutritivos; combater a pobreza e as desigualdades estruturais; fortalecer os ambientes alimentares e promover mudanças no comportamento do consumidor para a promoção de hábitos alimentares com efeitos positivos na saúde humana e no meio ambiente; além de investir na integração de políticas humanitárias, de desenvolvimento e construção da paz em áreas afetadas por conflitos.

Agência Brasil