Category: Cultura

Dia de Finados – Saiba um pouco da História

Da internet

Dia dos Fiéis Defuntos, Dia de Finados ou Dia dos Mortos é celebrado pela Igreja Católica no dia 2 de novembro.
Desde o século II, alguns cristãos rezavam pelos falecidos, visitando os túmulos dos mártires para rezar pelos que morreram. No século V, a Igreja dedicava um dia do ano para rezar por todos os mortos, pelos quais ninguém rezava e dos quais ninguém lembrava. Também o abade Odilo de Cluny, em 998, pedia aos monges que orassem pelos mortos. Desde o século XI os Papas Silvestre II (1009), João XVII (1009) e Leão IX (1015) obrigam a comunidade a dedicar um dia aos mortos. No século XIII esse dia anual passa a ser comemorado em 2 de novembro, porque 1 de novembro é a Festa de Todos os Santos. A doutrina católica evoca algumas passagens bíblicas para fundamentar sua posição (cf. Tobias 12,12;  1,18-20; Mt 12,32 e II Macabeus 12,43-46), e se apóia em uma prática de quase dois mil anos.
Segundo Léon Denis, um autor e médium espírita, o estabelecimento de uma data específica para a comemoração dos mortos é uma iniciativa dos druidas, pessoas encarregadas das tarefas de aconselhamento, ensino, jurídicas e filosóficas dentro da sociedade celta, que acreditavam na continuação da existência depois da morte. Reuniam-se nos lares, e não nos cemitérios, no primeiro dia de novembro, para homenagear e evocar os mortos.
Tradição por religião
Cristianismo protestante

Após a Reforma Protestante, a celebração do Dia de Finados foi fundida ao da Festa de Todos os Santos na Igreja Anglicana, ainda que tenha sido posteriormente desmembrada em certas igrejas coesas ao Movimento de Oxford no século XIX. A observância da comemoração foi restaurada, todavia, em 1980, por meio da publicação do livro litúrgico The Alternative Service Book, o qual define a data como “festividade menor” intitulada “Comemoração dos Fiéis Defuntos”.
Entre os protestantes históricos da Europa, a tradição foi mais tenazmente mantida. Mesmo a forte influência de Martinho Lutero não foi suficiente para abolir sua celebração na Saxônia durante sua vida e, apesar da sanção oficializada pela Igreja Luterana, sua memória sobrevive fortemente no costume popular.
Em 1816, a Prússia introduziu uma nova data para a lembrança dos mortos, com feriado, entre os cidadãos luteranos: era o Totensonntag, ou seja, Domingo dos Mortos, celebrado no último domingo antes do Advento. Este costume foi mais tarde adotado também pelos protestantes alemães, ainda que não se tenha espalhado muito além das regiões de maioria luterana na Alemanha.
Para a Igreja Metodista, são santos todos os fiéis batizados, de modo que, no Dia de Todos os Santos, a congregação local honra e recorda seus membros falecidos.
Espiritismo
Para os espíritas, visitar o túmulo é a exteriorização da lembrança que se tem do espírito querido, é uma forma de manifestar a saudade, o respeito e o carinho, pois segundo consta n’O Livro dos Espíritos, questão 320, a lembrança dedicada aos desencarnados os sensibiliza, conforme sua situação. Entretanto, nada há de solene comparando-se aos demais dias. Desde que realizada com boa intenção, sem ser apenas um compromisso social ou protocolar, desde que não se prenda a manifestações de desespero, de cobranças, de acusações, como ocorre em muitas situações, a visitação ao túmulo não é condenável, como nada o é no Espiritismo, apenas é conduzida à compreensão de forma lógica e racional. O espírito, ou alma, agora desencarnada, não se encontra no cemitério, e pode ser lembrada e homenageada através da prece em qualquer lugar. A prece proferida pelo coração, pelo sentimento, santifica a lembrança, e é sempre recebida com prazer e alegria pelo espírito desencarnado.


Wikipédia
(Isso não é uma verdade absoluta)

Cantor do ‘Convite de Casamento’, Adonis Antonio, confirma que fará live no mês de julho

O cantor Adonis Antônio foi o convidado do jornalista Ismael Medeiros e participou da live da Sidys TV no instagram, na noite desta quarta-feira (3). O parelhense que ficou consagrado em todo Brasil com a música “Convite de Casamento” contou o começo da sua carreira e revelou que pretende gravar o clássico em espanhol. Adonis também falou que está sendo incentivado por amigos a fazer sua live, que estuda a ideia para o mês de julho. “Tem muita gente pedindo, vamos relembrar grandes sucessos, na primeira ou segunda semana de julho”.

No bate-papo relembrou o ano de 1997, quando lançou seu CD. “Estava praticamente pronto o CD, gravava em Campina Grande e mudei tudo de última hora. Este nome Adonis Antônio, que é uma homenagem ao meu avô, foi o cantor Capilé que escolheu, já que meu nome de batismo é Adonis Araújo. La no estúdio eu conheci o Nino, que me apresentou várias letras”.

Adonis falou sobre a música Convite de Casamento, que é dos compositores Nino e Jefferson Farias. A canção estava encomendada para a dupla Zezé de Camargo e Luciano. “Depois de escolher várias músicas eu perguntei não tinha nenhuma outra. Nino disse que tinha uma, mas já estava encomendada. Depois de ouvir não resisti e disse pra ele que quem iria gravar seria eu, assim foi. Aconteceu e fiquei marcado com o ‘convite de casamento’ até hoje. Estou pensando em gravá-la em espanhol”, revelou.

Exposição fotográfica que retrata paisagens do RN será sediada na ALRN

Um olhar diferenciado para as paisagens do Rio Grande do Norte. Esse é o objetivo da exposição fotográfica “Brechando o Planeta” do artista Flávio Rezende, que estará aberta ao público, entre os dias 17 a 20 de março, no Salão Nobre da Assembleia Legislativa do RN.

A exposição contempla 30 fotos que revelam situações do cotidiano, focando em animais, paisagens, praias e personagens do Estado. Idealizada pelo jornalista, escritor, fotógrafo e blogueiro Flávio Rezende, a mostra promete atrair um olhar diferenciado do público que poderá ter acesso a visão do profissional premiado, ativista cultural e repórter fotográfico e autor de 27 livros publicados.

Essa é a primeira exposição de Flávio Rezende em 2020. “Representa mais um passo importante na consolidação da construção da memória fotográfica de Natal e do RN, que venho elaborando nos últimos trabalhos, visando ofertar aos futuros habitantes, uma visão fotográfica do hoje existente”, explicou o fotógrafo.

Revista Foco

O Salão Nobre também abrigará o lançamento da revista Foco Nordeste, dia 17 (terça-feira), às 10h, em alusão ao Dia Internacional da Mulher. “Serão 10 mulheres homenageadas e haverá a entrega do troféu Mulher de Destaque Potiguar. Cada homenageada tem uma matéria na revista com uma página”, explicou Marcus César, responsável pela publicação. A revista tem 18 anos e mais de 327 edições no Rio Grande do Norte.

Dia Internacional da Mulher: as mulheres que derrotaram soldados holandeses em Pernambuco

painel da artista Tereza Costa Rêgo sobre a batalha de Tejucupapo
JAN RIBEIRO/SECULT-PE/FUNDARPEImage caption A vitória das heroínas de Tejucupapo tem sido contada de geração a geração na zona da mata de Pernambuco. Na foto, painel da artista Tereza Costa Rêgo sobre a batalha

A palavra “heroína” faz parte do dia a dia das mulheres de Tejucupapo, distrito de Goiana, cidade na zona da mata de Pernambuco.

É assim que muitas vezes elas se referem a si próprias. “Pelo que vivi, sou uma heroína”, diz Luzia Maria, de 74 anos, presidente da associação local que também leva o termo no nome: “Heroínas de Tejucupapo”.

Na base do obelisco instalado num morro a poucos metros do povoado, a explicação: “Aqui, em 1646, as mulheres de Tejucupapo conquistaram o tratamento de heroínas por terem, com as armas, ao lado dos maridos, filhos e irmãos, repelido 600 holandeses que recuaram derrotados”.

O episódio no litoral pernambucano, em que as mulheres usaram paus, panelas, água fervente, pimenta e tudo que tinham em mãos como armas, marca o que é considerada a primeira batalha na história brasileira em que as protagonistas foram elas.

Moradoras de Tejucupapo mantém a tradição viva encenando a história da batalha
Image caption/Moradoras de Tejucupapo mantêm a tradição viva encenando a história da batalha

Em busca de comida, holandeses tentavam saquear a então vila de São Lourenço de Tejucupapo e escolheram o momento em que haveria poucos homens no local. Não esperavam que as mulheres estivessem organizadas e prontas para a luta.

Em 1648, essa participação feminina já tinha registro na História. No livro O Valeroso Lucideno, o frei português Manuel Calado, que presenciou os conflitos envolvendo Portugal e Holanda no Nordeste brasileiro, descrevia as tentativas de invadir Tejucupapo e as mulheres que brigaram ao lado dos homens que permaneceram na vila.

Nos séculos que se seguiram, pouco foi registrado em papel sobre o episódio. Mas, em Tejucupapo, a história continuou sendo contada, principalmente por meio da tradição oral das mulheres que se sentem herdeiras naturais daquelas guerreiras.

“Muito além do registro nos livros históricos, que foram escritos por homens e sobre homens, essa história tem uma força simbólica muito poderosa naquela comunidade. Estamos falando de uma história de 1646 que perpassou esse tempo todo ali, contada pelas mulheres, e reafirma que aquelas heroínas existiram e lutaram”, explica Luciana Lyra, dramaturga, atriz e pesquisadora que desenvolveu a sua tese de doutorado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) sobre o tema.

Mais de 370 anos depois, a batalha segue viva no dia a dia de Tejucupapo. Todos os anos, as mulheres — entre pescadoras, marisqueiras, professoras, aposentadas e donas de casa — se organizam no último domingo de abril e lutam para “defender” a terra numa encenação que chega a reunir 10 mil pessoas, segundo estimativas da associação das heroínas.

“O ano todo a gente espera por esse momento mais emocionante, que é o da luta”, conta Dayse Alves, de 54 anos, auxiliar de cozinha que interpreta Maria Camarão, uma das protagonistas do feito histórico.

Soldados holandeses foram surpreendidos pelo grupo de mulheres do povoado
GRUPO CULTURAL HEROÍNAS DE TEJUCUPAPO/DIVULGAÇÃO/Image caption/Soldados holandeses foram surpreendidos pelo grupo de mulheres do povoado

As heroínas de ontem

Em 1646, fazia 16 anos que a Holanda conquistara parte do território do Nordeste brasileiro, uma região que ia do Estado de Sergipe até o Maranhão. Após anos de desenvolvimento urbano das cidades e da boa relação entre senhores de engenho com o então administrador da “Nova Holanda”, o conde Maurício de Nassau, os negócios começaram a desandar.

A cobrança de altos impostos pela Companhia da Índias Ocidentais, que administrava a colônia, e o fim do governo de Nassau, convocado de volta à Holanda pela empresa, levaram portugueses e pernambucanos a agirem.

Um ano antes do conflito de Tejucupapo, em 1645, havia começado a tomar corpo a Insurreição Pernambucana, um movimento que culminou com a expulsão total dos holandeses do território nove anos mais tarde na Batalha dos Guararapes.

“Apesar da tendência à glamourização do período holandês, foi uma época marcada por fome e violência. Ataques como o de Tejucupapo, para buscar comida, eram comuns. Por isso, no sentido bélico, o conflito ali não foi tão relevante num sentido geral da luta contra os holandeses, mas com certeza podemos dizer que abalou a moral das tropas, derrotadas por mulheres, e que tem impacto simbólico até hoje”, opina George Cabral, professor de história na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Veja mais…

BBC

Baiacu na Vara e Bloco dos Garis animam a Quarta-feira de Cinzas em Natal

O carnaval ainda não acabou em Natal. Na manhã desta Quarta-feira de Cinzas (6), tem Baiacu na Vara e o Bloco dos Garis – marcando o encerramento da folia na capital potiguar. O Baiacu desfila às 9h pelas ruas da Redinha, na Zona Norte de Natal, e fecha com a apresentação do Frevo do Chico no palco armado na Praça do Cruzeiro. No mesmo horário tem o Bloco dos Garis, com a orquestra Terra do Sol.

Bloco Baiacu na Vara é um dos mais tradicionais do carnaval na praia da Redinha  — Foto: Divulgação
Bloco Baiacu na Vara é um dos mais tradicionais do carnaval na praia da Redinha — Foto: Divulgação

G1

Escritor Fernando Dahia lança livro “Evolução da Consciência” em Natal

Após lançar  a obra nacionalmente na Bienal Internacional de SP autor realiza noite de autógrafos na livraria Saraiva do Midway Mall

 

O escritor e palestrante carioca, Fernando Dahia, realiza em Natal no próximo dia 28, o lançamento do seu segundo livro “Evolução da Consciência: conhecimento para um novo começo”, obra lançada no mercado nacional, em agosto deste ano, durante a Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Dahia apresenta o resultado de seu trabalho sobre o comportamento humano para o público potiguar em noite de autógrafos, a partir das 19h, na Livraria Saraiva, do Midway Mall.

O livro é editado pela Madras e promete levar o leitor à reflexão sobre diferentes temas do comportamento humano, que vão auxiliá-lo em sua evolução consciencial. Isto é, em sua trajetória como uma consciência deste planeta, tendo como objetivo principal ajudar as pessoas a serem mais felizes. Segundo Dahia, sua  obra é comportamental e nela apresenta seu conhecimento de muitos anos de estudo e reflexão no campo da Conscienciologia, um movimento dissidente do Espiritismo fundado pelo médico e médium brasileiro Waldo Vieira.

“Esta é uma obra para pessoas que buscam a compreensão da vida e dos seus desafios ao fazerem suas escolhas e, com isso, ter um futuro mais feliz. Convido o leitor a pensar sobre vários temas que considero importantes para se alcançar a evolução consciencial”, comenta. Entre eles nossas escolhas, o amor, o ciúme, a traição, as pequenas corrupções, o perdão, o autoconhecimento, o ego, preconceitos e os relacionamentos, por exemplo.

O livro

“A busca da felicidade é o que move o ser humano a fazer suas escolhas”. Muitos ainda as fazem movidos por desejos materiais, mas alguns já começaram a fazê-las motivados por um desejo sincero de fazer o bem, considerando a ética e o amor. Outros iniciaram a procura pelo seu “eu” e muito poucos já alcançaram a paz interior e a felicidade de viver em harmonia com tudo e com todos. Esses seres humanos estão no caminho da própria evolução consciencial.

“Evolução da Consciência: Conhecimento para um novo começo” foi escrito para ajudar todas essas consciências a encontrarem esse caminho de forma mais rápida. Podendo, realmente, ajudar o leitor em suas escolhas ao longo da sua vida, em sua evolução.

Quem acredita em ressoma, ou reencarnação, sabe que a cada vida, aprendemos coisas novas e que esse processo de aprendizado é o que se chama de evolução. Evolui-se cada vez mais, para, ao final de um ciclo evolutivo neste planeta, não necessitar mais encarnar. Já quem não acredita,mas da mesma forma deseja uma evolução consciencial pode encontrar o seu despertar nas páginas desta obra.

Dahia procurou escrever capítulos pequenos e de  leitura agradável para facilitar o aprendizado. Além disso, eles podem ser lidos em qualquer ordem, pois são independentes e estão em ordem alfabética. Os assuntos são do dia a dia, fruto de suas observações sobre o comportamento humano, suas próprias experiências de vida e de mensagens dos seus amparadores, também conhecidos como espíritos protetores.

O autor

Fernando Dahia é escritor e palestrante de temas de autoajuda e motivação. Nascido no Rio de Janeiro, mas potiguar de coração, se intitula “potioca” já que reside em Natal desde 1999. É engenheiro civil, mestre em Inteligência Artificial e auditor fiscal da Receita Federal aposentado. Reikiano gosta de aliviar as dores físicas e espirituais de quem necessita.  Dahia não esconde sua alegria de lançar a obra em Natal, cidade que adotou e onde fez muitos amigos.

Serviço

O que: Lançamento do livro “Evolução da Consciência: Conhecimento para um novo começo”.

Quando: 30 de setembro

Horário: 19 horas

Onde: Livraria Saraiva Midway Mall

​Escritoras lançam livro infantojuvenil no Dia Internacional da Amizade

As amigas e escritoras Glacia Marillac e Milena Azevedo escreveram o livro infantojuvenil Dora, Dara e as Estrelas, que tem capa assinada pelo jornalista Jackie Monteiro, retratando a amizade. O lançamento será realizado na próxima segunda-feira, 30 de julho, quando se comemora o Dia Internacional da Amizade.

O evento vai ocorrer no Teatro da Cultura Popular, a partir das 19 horas, e será embalado por músicas que, em diferentes épocas, marcaram a infância e adolescência, período de descobrimento da amizade. Todos poderão cantar, dançar e participar do “Dara, Dora e as estrelas” num show coletivo em tributo à amizade.

“Numa cidade em que a violência é crescente, é preciso reverberar ações que trabalhem para diminuir o medo e potencializem o amor nas mais diferentes vertentes” disse a historiadora e roteirista Milena Azevedo, uma das autoras do livro escrito a quatro mãos.

A publicação é mais um produto da Rede Eu Sou do Amor e conta com a parceria da CJA Edições.

O livro

Logo nas primeiras páginas o leitor é levado a tomar decisões e se posicionar.

Independentemente da escolha feita, a leitura instiga a refletir sobre muitas questões, entre elas, as diversas formas de ser e de agir em favor do bem comum”, esclareceu a jornalista Glácia Marillac.

No decorrer do texto, as autoras são provocativas. Armam situações que forçam a fazer escolhas em dilemas comuns a todos. Também brindam o leitor com personagens invejáveis, a exemplo da Tia Clara que, como diz Dora, “não tinha necessidade de agradar ninguém, não implorava o amor de ninguém, sabe se amar, amar e ser amada multiplicando cada vez mais o número de amigos que trabalham juntos por nobres causas”.

Serviço:

O que: Lançamento do livro “Dara, Dora e as estrelas”

Quando: 30 de julho

Horário: 19 horas

Onde: Teatro da Cultura Popular – Rua Jundiaí, 641 – Tirol.

Monique Rêgo de Riacho da Cruz é escolhida Miss RN 2018

Na noite de ontem, 10, foi escolhida a nova Miss 2018 Rio Grande do Norte, a bela Jovem de Raicho da Cruz, Oeste no Estado, Monique Rêgo.

Monique nasceu em Umarizal mas durante anos foi morar em Riacho da Cruz, de onde saiu para viver em Natal. No caso, ela pode representar a sua cidade aonde morou tantos anos. Monique completou 14 anos exatamente no dia de sua vitória como miss RN.

 

DEMAIS COLEGAS DA VENCEDORA:

FOTOS DE LAUIRVAN DE SOUSA

 

Morre a atriz Eva Todor, aos 98 anos

Eva Todor morreu em casa, aos 98 anos Foto: TV Globo / Renato Rocha Miranda
Foto: da Internet

Morreu em casa, por volta das 8h50m da manhã deste domingo, a atriz Eva Todor, aos 98 anos. A informação foi confirmada por amigos da artista, que disseram ainda que a causa da sua morte foi pneumonia. O velório público está marcado para segunda-feira, das 9h às 11h, no Teatro Municipal. De lá, a cerimônia continuará na capela de número 8 do Memorial do Carmo, no Caju, onde ela será cremada às 16h.

— A Eva vinha sendo muito bem cuidada pelos enfermeiros e recebia visita de amigos com frequência. Ela esteve doente todo o ano e morreu de pneumonia. Eu estava aqui na hora com alguns enfermeiros e empregados. A Eva teve toda a assistência — disse Marcelo Del Cima, amigo da atriz, que havia sido internada em março deste ano.

Eva Todor sofria de Mal de Parkinson e chegou a ficar dez dias internada em março deste ano. A atriz estava longe da TV desde a novela “Salve Jorge”, exibida em 2012, e sua última aparição pública foi em novembro de 2014, quando recebeu uma homenagem feita por amigos artistas no Teatro Leblon.

A atriz somava mais de 80 anos de carreira. O início nos palcos foi por meio do balé, ainda na infância. Húngara de nascimento, Eva Todor (que tinha o sobrenome Fódor de batismo) chegou a dançar na Ópera Real de Budapeste. Filha de uma estilista e de um comerciante de tecidos, ela já mostrava talento para a vida artística, mas a realidade complicada do período entre guerras na Europa a fez fugir com a família para o Brasil, em 1929.

Por aqui, entretanto, rapidamente a pequena retomou a rotina com sapatilhas, tendo aula com a renomada Maria Olenewa. Não era à toa o envolvimento com o universo cultural. Em entrevista ao site rel=”external” href=”http://memoriaglobo.globo.com/perfis/talentos/eva-todor.htm” target=”_blank”>”Memória Globo”, Eva contou que seus pais, “como bons húngaros”, achavam que toda criança deveria ter uma educação ligada à arte.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/morre-atriz-eva-todor-aos-98-anos-22173227#ixzz50uYPBBnE
stest

Ciranda na Praça encoraja união da sociedade

A organização da 1ª Caminhada pela Paz, por mais Amor e menos Medo de Nova Parnamirim, realizada no dia 11 de novembro passado dá continuidade a suas ações de conscientização e empoderamento da sociedade na tarde do próximo sábado (02) quando realiza na praça do ginásio Jorge Tavares de Morais uma CIRANDA NA PRAÇA. A programação se inicia às 17 horas e contará com apresentações musicais, danças, poesias e contação de histórias para crianças além de muitas surpresas.

A ideia é realizar ações mensais para fazer com que as pessoas voltem a ocupar os espaços públicos. “Convidamos a todos para cantar e dançar conosco”, disse uma das organizadoras Marilda Chermello que já adiantou que a próxima ação deve ter nova intervenção e ocorrer em outro local do bairro.

Tiririca chega a Natal com novo show

Cearense Tiririca sobe ao palco do Teatro Riachuelo, em Natal, no próximo dia 2 de dezembro (Foto: Divulgação)
Cearense Tiririca sobe ao palco do Teatro Riachuelo, em Natal, no próximo dia 2 de dezembro (Foto: Divulgação)

Considerado um dos maiores humoristas do Brasil, o cearense Tiririca sobe ao palco do Teatro Riachuelo, em Natal, no próximo dia 2 de dezembro para apresentar um novo show. Intitulado ‘Minha História’, o espetáculo é repleto de músicas, piadas, esquetes e brincadeiras. “Diversão e alegria para toda a família”, garante Tiririca.

Mais uma produção da Viva Entretenimento e Idearte Produções, o show começa às 18h e possui classificação recomendada para maiores de 16 anos. Os ingressos já estão à venda na bilheteria do teatro e também pelo site Ingresso Rápido.

Fonte: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/tiririca-chega-a-natal-com-novo-show.ghtml

‘Não formam só cineasta, formam cidadãos’, diz jovem sobre cursos da Mostra de Cinema de Gostoso

Rubens dos Anjos, 19 anos de idade, participa de roda de conversa com cineastas em São Miguel do Gostoso, no RN (Foto: Camila Pessoa)
Rubens dos Anjos, 19 anos de idade, participa de roda de conversa com cineastas em São Miguel do Gostoso, no RN (Foto: Camila Pessoa)

Rubens dos Anjos é morador de São Miguel do Gostoso, no Rio Grande do Norte, e tem 19 anos de idade. Há três participa das oficinas desenvolvidas pela equipe da Mostra de Cinema de Gostoso e, sobre os resultados do projeto, ele é enfático: “além de formar o cineasta, forma o cidadão, forma uma pessoa melhor”.

O jovem diz que já se interessava por cinema e pesquisava na internet sobre a sétima arte, contudo, depois da Mostra, conseguiu “desabrochar”. O projeto junto à comunidade de São Miguel do Gostoso realizou, em cinco anos, 34 oficinas, que resultaram na produção de 10 curtas-metragens e também na criação do coletivo Nós do Audiovisual, formado só por gente da população local.

Neste sábado (18), Rubens dos Anjos dividiu espaço na roda de debates promovida pela Mostra de Cinema com experientes profissionais do cinema para falar do seu curta “O Grande Ó”, exibido na primeira noite do festival. Estiveram com ele o ator João Pedro Zappa, que interpreta o protagonista do Filme “Gabriel e a Montanha”, bem como o distribuidor do longa, Bruno Beauchamps.

Participaram das discussões também a professora Dácia Ibiapina, diretora de “Carneiro de Ouro”, e de Carlos Firmino, diretor de fotografia do curta “Borá”.

Durante o final da manhã do sábado (18), Rubens debateu com os participantes da mesa e com a plateia as suas ideias sobre o cinema, bem como a produção local. Antes de roteirizar “O Grande Ó”, ele havia atuado em um outro filme do coletivo Nós do Audiovisual. Contudo agora já decidiu que quer, mesmo, é ficar atrás das câmeras.

O impacto das oficinas na comunidade município foi destacado por Eugenio Puppo, um dos organizadores da Mostra de Cinema de Gostoso. Puppo mediou o debate entre os realizadores e, durante as discussões, recordou de uma conversa que teve com o próprio Rubens dos Anjos, que ilustra a relação dos jovens de São Miguel do Gostoso com as oficinas do festival.

“Outro dia a gente tava conversando, batendo um papo sobre as coisas e eu falava um pouco muitas pessoas são egoístas, e tal. Aí ele virou pra mim e disse ‘eu também era egoísta, mas eu aprendi com os cursos do coletivo a não ser egoísta’. Então eu acho que isso é uma coisa de formação, plantar a semente nessa molecada e fazer eles desabrocharem”, lembrou Eugenio Puppo.

Fonte: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/nao-formam-so-cineasta-formam-cidadaos-diz-jovem-sobre-cursos-da-mostra-de-cinema-de-gostoso.ghtml

Dia do Nordestino será comemorado pelas crianças na LBV

Na programação apresentações culturais de artistas locais, crianças e idosos atendidos pela Instituição

Nesta sexta-feira, 6, a Legião da Boa Vontade – LBV na capital potiguar, reúne às 15 h, artistas da área musical como Ery Carlos (Ex-Banda Magníficos), Jean Xavier, José Filho, Jomar Filho, Tony Costa, Beto Avillis, Carlos Abdon, Lucinha Lira e o Grupo de Extensão de Música do IFRN, que integra os componentes: Nilson Pereira,  Ricardo Alexandre, Matias e Diná Verzutti, além do poeta e aboiador Luciano Vicente, dentre outros, para um encontro, no qual irão bater um papo com as crianças e adolescentes atendidos pelo programa Criança: Futuro no Presente!, sobre a cultura nordestina e as suas carreiras profissionais.

O encontro marcará o Dia do Nordestino, celebrado em 8 de outubro.

O evento ocorrerá no Centro Comunitário de Assistencial Social da Instituição, localizado à Rua dos Caicós, 2148 – Dix-Sept Rosado. Informações: (84) 3613-1655.

Serviço:

Dia do Nordestino movimenta crianças da LBV

Local: Centro Comunitário de Assistência Social da LBV

Rua dos Caicós, 2148 – Dix Sept Rosado

Horário:15 h

Informações: (84) 3613.1655

Anistia Internacional promove roda de conversa ‘Jovem Negro Vivo’ em Natal

Roda de conversa com o tema
Roda de conversa com o tema “Jovem Negro Vivo” acontece nesta terça (29) em Natal (Foto: Divulgação)

A Anistia Internacional promove nesta terça-feira (29), em Natal, uma roda de conversa com o tem ‘Jovem Negro Vivo’. O evento acontece no auditório B do CCHLA do campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em Lagoa Nova, a partir das 19h15.

“O Brasil é o país onde mais se mata no mundo em números absolutos, são cerca de 60 mil por ano. Trazer essa roda de conversa para Natal busca ampliar a mobilização em torno de um tema que faz parte da realidade diária de quem vive nos territórios de periferia: o assassinato de seus jovens. Nossos parceiros locais já trabalham com este tema há anos e agregam muito ao acrescentar sua expertise sobre a realidade local. Juntos podemos fazer mais”, afirma Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional no Brasil.

A roda de conversa será composta por Marcelle Decothé, da Anistia Internacional Brasil; Jenair Alves, do coletivo As Carolinas, que buscam visibilizar o ativismo entre pessoas lésbicas e bissexuais; e Divaneide Basílio, do programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Com a campanha Jovem Negro Vivo, a Anistia Internacional convida todas as pessoas a romper o silêncio e a indiferença diante desta realidade, mobilizando a sociedade para assinar o manifesto “Queremos ver os jovens vivos”, que defende o direito a uma vida livre de violência e preconceito. E ainda pede políticas públicas de segurança, educação, saúde, trabalho, cultura, mobilidade urbana, entre outras, que possam contribuir para o enfrentamento desta realidade.

Fonte: http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/anistia-internacional-promove-roda-de-conversa-jovem-negro-vivo-em-natal.ghtml