Baby do Brasil tenta agradar a Deus e ao diabo em festa gay e finda desagradando a todos

n-BABY-CONSUELO-large570

Escolhida para ser madrinha do Desfile das Kengas, tradicional bloco de travestis, drag queens e gays que ocorreu no último domingo do Carnaval de Natal (RN), a cantora Baby do Brasil foi vaiada durante o seu discurso.

Logo após cantar a clássica música Masculino e Feminino, do ex-parceiro Pepeu Gomes, cuja letra é considerada um hino libertário ao afirmar que “se Deus é menina e menina, sou masculino e feminino”, Baby declarou que “apesar das kengas [travestis], todo homem para mim é homem. O que talvez tenha faltado é uma boa mulher”.

Inconformado, o público majoritariamente composto por gays e travestis demonstrou repúdio total à declaração da artista, que precisou pedir para aumentarem o som do seu microfone para que pudesse continuar sua fala.

Baby tentou se explicar argumentando que convive com diversos amigos gays e que até “casaria com metade deles”. No entanto, o estrago já havia sido feito.

Para completar o papelão, a cantora recusou a tiara com a qual foi presenteada.

“A coroa é a única coisa que eu não vou poder colocar porque na minha cabeça tem uma coroa, a coroa do senhor Jesus”, disse ela.

Após ser alvo de críticas negativas, a cantora fez um post em seu Facebook para dizer que foi mal interpretada e se defender das acusações de homofobia e transfobia.

“Gente, acabei de receber de amigos uma declaração na internet e não poderia deixar passar em branco essa oportunidade, pois nada do que está sendo dito condiz com a verdade. Tenho amigos e amigas gays há anos, que são inclusive muito íntimos da nossa família. O que declarei foi que para mim não importa a escolha sexual, pois ela não invalida de um homem ser homem ou uma mulher ser mulher”, diz o texto.

Do Blog: Por que a artista Baby aceitou esse convite? Sou protestante, evangélico e trabalho muitas vezes no carnaval como repórter fotográfico. Não participo de evento carnavalesco como folião; sou contra a festa da carne! Mas aceitar participar de uma festa para ridicularizar os que convidaram, sejam gays ou héteros, foi uma atitude de falta de sabedoria cristã, e profissional. Mais sensato seria não ter aceito o convite. 

Quanto a declarar que só usa a coroa de Jesus, se era a intenção de protestar contra o pecado e pregar Cristo aos gays, ela escolheu um péssimo momento. Repito: muito imprudente a atitude e em nada glorifica a Cristo. O correto era não ter aceito o convite.

Veja o vídeo!

Brasil Post