Alexandre Garcia anuncia a Bolsonaro que a democracia do Brasil se acabou com as interências do STF nos demais poderes

A democracia constitucional e sua defesa pelo Supremo Tribunal Federal -  _comciência
Foto copiada da Internet

O jornalista Alexandre Garcia fez seu comentário diário que antes de veicular no YouTube passa em mais de trezentas radios por todo o Brasil.

Neste ele chega a criticar as invasões do STF nos demais poderes, como vem fazendo nesses últimos dois anos.

O STF impediu a posse de um delegado geral da polícia federal que teria sido nomeado pelo presidente Jair Messias Bolsonaro, seguindo daí por diante com diversas interferências no poder executivo.

Na Câmara Federal o STF se consagrou como autoridade maior quando de forma vergonhosa os deputados federais reafirmaram a prisão arbitrária de um dos colegas, dep. Daniel Silveira, que está preso até o dia de hoje, feita por decisão monocraticamente pelo ministro Alexandre de Moraes.

Para a maioria dos grandes juristas dos Brasil, a prisão foi ilegal, atacando o direito e a constituição federal em diveras formas. Para Ives Gandra, o STF criou a figura do flagrante eterno, uma vez que não pode haver mandado judicial para crimes em flagrante, pois expedido o mandado, descaracterisada está a flagrância.

Já o Senado foi humilhado pelo STF que manteve a decisão monocrática do ministro Roberto Barroso que determinou a instalação da CPI da Covid, para investigar o governo federal. Mesmo tendo, o presidente do Senado, incluído estados e municípios para prestarem conta do dinheiro recebido da União, o ministro enfatisou que cabia ao Senado apeans escolher as formas, se presencial ou virtual. Mas deveria obedecer o mandado da justiça abrindo a CPI.

No voto, Barroso disse ainda que não cabe ao Senado decidir se vai abrir a CPI e sim como vai proceder. “Caberá ao Senado se por videoconferência, presencial ou por modo semipresencial”, disse.

“O procedimento a ser seguido pela CPI deverá ser definido pelo próprio Senado, diante das regras que vem adotando para o funcionamento dos trabalhos na pandemia”, afirmou.