Archive for julho 26th, 2021

Bastidores apontam que Bolsonaro pode ir para o PTB, de Roberto Jefferson

Roberto Jefferson diz que partido acionará OEA contra STF por prisão de  Silveira | O TEMPO
Foto da Internet

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deve confirmar nesta segunda-feira (26) o nome do senador Ciro Nogueira (PP-PI) como chefe da Casa Civil. Depois desse indicativo de aumento de espaço para o Progressistas no governo e após algumas declarações do presidente, muita gente acha que ele deve se filiar à legenda.

Mas algumas fontes do PP afirmam que isso não vai acontecer e que a tendência maior, se Jair Bolsonaro se filiar a uma sigla tradicional, é que ele vá para o PTB, de Roberto Jefferson. O que o próprio Roberto Jefferson disse, em entrevista à Itatiaia, no podcast Abrindo o Jogo, que trabalharia para que acontecesse.

O PTB, partido do qual Bolsonaro também já fez parte, prepara-se para isso. A conversa de bastidores em Brasília é que o partido é uma possibilidade real.

Como Jefferson foi preso no mensalão, se essa migração do presidente acontecer acenderá outra polêmica, pois uma das bandeiras de Bolsonaro foi o combate à corrupção.

A leitura de alguns integrantes do Progressistas é que a ida para de Bolsonaro para o PP seria ruim para o partido, porque a campanha dele levaria parte importante do Fundo Eleitoral, diminuindo o valor destinado à campanha de deputados federais.

Sendo assim, a aproximação de Bolsonaro com o PP, dando a Casa Civil para o senador Ciro Nogueira, reafirma o lugar do Progressistas na base. Mas, mais do que indicar que Bolsonaro possa ir para a legenda, revela a intenção do presidente de melhorar a relação com o Senado e a Câmara Federal, aprovar pelo menos as pautas positivas e eliminar qualquer possibilidade de andamento de processo de impeachment — a Casa Civil é uma pasta que faz a articulação do governo com o Parlamento.

Ciro Nogueira é a pessoa perfeita para cuidar da relação com o Congresso Nacional. Ele é extremamente influente, muito habilidoso e transita entre a esquerda e a direita como Gisele Bündchen desfila no Fashion Week. Ele foi base de governos petistas, de Michel Temer e, agora, de Bolsonaro. 

Por Edilene Lopes

Rosa Weber determina que Congresso preste informações sobre votação de fundo eleitoral

Ministra Rosa Weber em novembro de 2019. — Foto: Reprodução/TV Justiça
Ministra Rosa Weber em novembro de 2019. — Foto: Reprodução/TV Justiça

A ministra Rosa Weber, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, determinou que o Congresso Nacional preste informações em 10 dias sobre a aprovação fundo que vai financiar as eleições de 2022. A verba, que é calculada em R$ 5,7 bilhões, foi validada na esteira da aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias.

No dia 16 de julho, um grupo de parlamentares ingressou no Supremo com um pedido para anular a votação. A Corte também recebeu uma segunda ação no mesmo sentido do senador Álvaro Dias (Podemos-PR) no último dia 20.

O caso está com Rosa Weber, pois, pelas regras internas do Supremo, cabe ao comando do tribunal decidir sobre questões urgentes durante o recesso.

“Considerada a natureza da controvérsia, em que se contende a respeito da correção do procedimento legislativo de votação aplicado à espécie, determino a notificação das autoridades impetradas para que prestem informações, no prazo de dez dias (art. 7º, I, da Lei 12.016/2009), como providência prévia ao exame do pedido de liminar”.

Weber determinou ainda que o caso seja enviado posteriormente ao relator original do caso, o ministro Nunes Marques.

Pedido

Um dos processos foi apresentado por sete parlamentares – seis deputados e um senador. São eles: Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Adriana Ventura (Novo-SP), Tiago Mitraud (Novo-MG), Vinícius Poit (Novo-SP), Felipe Rigoni (PSB-ES), Tábata Amaral (PDT-SP) e Daniel Coelho (Cidadania-PE).

O grupo apontou ao Supremo o que considerou irregularidades na votação do projeto, ocorrida no dia 15 de julho. Entre elas, o curto intervalo de tempo para que parlamentares pudessem analisar 2.663 emendas ao projeto da LDO.

“A forma como ocorreu a inserção desse aumento do chamado Fundo Eleitoral não seguiu os trâmites constitucionais previstos para o processo legislativo específico no que tange à norma orçamentária. Isso porque não houve atendimento a um prazo razoável de deliberação quanto a uma mudança tão impactante no tocante ao Fundo Eleitoral”, afirmam os advogados que apresentaram o pedido em nome dos parlamentares.

“Salta aos olhos que o procedimento adotado na discussão e votação, que são requisitos constitucionais, não foi atendido e a minoria parlamentar, que tem o direito de participar da deliberação, sendo ouvida e considerada, foi simplesmente ignorada, ao arrepio de nossa Carta Magna”, afirma.

O grupo também criticou o aumento do fundo em meio à crise econômica e sanitária – pelos cálculos de técnicos, o valor do fundo para 2022 deverá ser três vezes maior do que o que foi estabelecido para as eleições de 2018 e de 2020

“Triplicar o valor do Fundo Eleitoral, enquanto mais de 500 mil cidadãos brasileiros morreram pelo coronavírus, além de inconstitucional, é imoral e cruel”, escreveram.

“O valor de 5,7 bilhões de reais é suficiente para adquirir todas as vacinas que o país precisa – mais de 350 milhões de doses”, completaram.

A votação do fundo eleitoral gerou críticas nas redes sociais e entre parlamentares. Após a reação negativa, o presidente Jair Bolsonaro tem sinalizado que deve vetar a medida.

G1

Candidatura de Rodrigo Pacheco para presidente do Brasil em 2022 sonha com Luiza Trajano na vice

Painel do Poder: Rodrigo Pacheco é a autoridade mais bem avaliada pelo  Congresso | Congresso em Foco
Foto de Marcos Oliveira/Agência Senado

O projeto de construção da candidatura presidencial do senador Rodrigo Pacheco (MG) continua avançando, sob a batuta do ex-ministro Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD e um dos mais hábeis articulares políticos do país. Pacheco tem evitado confirmar a pretensão, como recomendam os manuais de política, mas ele adora a ideia, que tem sido bem aceita. Em conversas reservadas, espertamente ele mantém portas abertas, admitindo se associar a outra candidatura que “some mais”.

De Cláudio Humberto

Bolsonaro diz que mostrará imagens que comprovam fraudes nas eleições em live na quinta-feira (29)

O presidente Jair Bolsonaro disse que as provas serão apresentadas durante live na quinta-feira / Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO – 18/05/2021

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta segunda-feira, 26, que irá realizar uma transmissão ao vivo na quinta-feira, 29, às 19h, para apresentar provas de fraudes nas eleições presidenciais dos últimos anos. O chefe do Executivo não detalhou se os documentos são referentes ao pleito de 2014, em que ele afirma que Aécio Neves venceu Dilma Rousseff no segundo turno, ou sobre a eleição de 2018, na qual ele foi eleito presidente da República. Bolsonaro alega que venceu ainda em primeiro turno, mas houve fraude para que disputasse o segundo contra Fernando Haddad, candidato do PT. O presidente disse que a live será realizada na sede do Ministério da Justiça e Segurança Pública. “A gente vai expor todas as questões que levam a uma eleição democrática no ano que vem. São três momentos inacreditáveis que a gente vai mostrar com fotografias de dados fornecidos pelo próprio TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Se bem que faltam mais dados que não entregaram. Logo a gente conclui isso aí, porque o trabalho não é fácil”, declarou Bolsonaro em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

“Agora dá para demonstrar, obviamente, até pelo maneira como o ministro Barroso está se posicionando. Tem algo esquisito. Ele podia falar: ‘Presidente, quer o voto auditável democrático em papel? Faça’. Por que ele é contra? Não quero acusá-lo de nada, só que ninguém consegue entender por que ele é contra”, argumentou o presidente. Bolsonaro acrescentou que parlamentares, ministros do Supremo Tribunal Federal e presidentes dos três poderes são passíveis de críticas. Para ele, apesar de as pessoas afirmarem que as críticas são uma forma de atentar a democracia, só existe um jeito de garantir que a democracia brasileira seja preservada de fato. “São votos auditáveis, voto no papel ao lado da urna eletrônica. É o voto democrático”, finalizou.

Jovem Pan

Lei de Ezequiel torna RN o primeiro Estado do país a regulamentar a atividade Off-Road

O presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PSDB), recebeu nesta segunda-feira (26), na Assembleia Legislativa, os representantes da Associação Potiguar de Off-Road (APO). Na pauta, a Lei estadual 131/2021, que regulamenta a atividade esportiva e de lazer da atividade no Rio Grande do Norte. O Estado é o primeiro do Brasil a tornar legal a prática.
 
“Essa é a primeira lei do Brasil. Já fomos procurados por deputados da Paraíba, Ceará e Pernambuco para que ela seja replicada nesses Estados. Ela permite que o cidadão potiguar, que tradicionalmente gosta de utilizar as trilhas do seu Estado, de forma regular e dentro da lei”, disse Ezequiel Ferreira.
 
A lei estadual nº 131/2021 é de autoria do presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Ezequiel Ferreira e reconhece a atividade de Off-Road como um esporte de aventura e radical de grande importância na cultura e no turismo potiguar. O projeto de lei foi sancionado pela governadora Fátima Bezerra (PT) e publicado pelo Diário Oficial na quinta-feira (22).
 
“Esse é um marco histórico do Brasil. O RN sai na frente de vários Estados do Nordeste com a aprovação dessa Lei que representa um novo momento do Off-Road. É importante ressaltar o ganho que isso representa para o fomento da economia do nosso RN, principalmente nesse momento de retomada”, celebrou o presidente da APO, Juscelino Martins Grilo.
 
“A regulamentação dessa atividade traz dignidade para os seus praticantes e para as comunidades por onde as atividades passam, movimentando a economia e fortalecendo os pequenos comércios”, comentou o representante jurídico da APO,  Marcílio Mesquita de Góes.
 
A lei deverá ser aplicada em conjunto e consonância ao código de trânsito brasileiro, com as resoluções do CONTRAN e no que couber as normas técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), relativas ao turismo fora de estrada em veículos.
 
“Como praticante do Off-Road eu gostaria de agradecer o esforço do presidente Ezequiel Ferreira e a dedicação para que esse projeto fosse aprovado e mudasse o cenário que antes vivíamos”, destacou Samanta Alves, praticante do Off-Road. Na oportunidade os representantes da APO entregaram uma placa de agradecimento ao presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira.

Problema em voo atrasa chegada de Ciro Nogueira, e reunião que vai selar ida à Casa Civil deve ficar para terça

Encontro de Bolsonaro com Ciro Nogueira é adiado após problema com avião de  senador
Foto (crédito: Marcos Correa/ PR)

Um problema em um voo internacional comprometeu a chegada do senador Ciro Nogueira (PP-PI) a Brasília e adiou uma reunião que ele teria nesta segunda-feira (26) com o presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o que o próprio Bolsonaro anunciou na semana passada, Nogueira deve ser o novo ministro da Casa Civil. A confirmação ocorreria inicialmente nesta segunda. Agora, a reunião deve ficar para terça (27), mas o Planalto ainda não confirmou oficialmente.

Nogueira deve embarcar no México ainda nesta segunda e chegar ao Brasil à noite, de acordo com a sua assessoria.

Estratégia política

Nogueira é presidente do PP e membro do grupo conhecido no Congresso como Centrão.

A ida dele para a Casa Civil é uma estratégia de Bolsonaro de se fortalecer politicamente. O presidente tenta estreitar seus laços com o grupo, fundamental para o governo ganhar votações no Congresso, e também busca melhorar a relação do governo com o Senado, onde a CPI da Covid tem gerado desgastes para o Palácio do Planalto.

A Casa Civil é um dos mais importantes da Esplanada e, além de auxiliar na articulação política junto ao Congresso, atua na coordenação de ações do governo com outras pastas

G1

Ex-ministro de Dilma irá depor na CPI da Covid no RN, diz deputado Kelps

Foto da Internet

Após a revista VEJA destacar neste fim de semana a compra dos respiradores pelo Consórcio Nordeste, que deu um prejuízo de R$ 48 milhões aos participantes, sendo R$ 5 milhões do RN, o deputado estadual Kelps Lima criticou o governo Fátima Bezerra e disse que o primeiro ofício de convocação da CPI da Covid-19 no Rio Grande do Norte será do ex-secretário do consórcio, Carlos Eduardo Gabas, ex-ministro de Dilma Rousseff.

O parlamentar também criticou o silêncio da governadora Fátima Bezerra diante do prejuízo milionário com dinheiro do povo nordestino.

“Aqui o Governo só está calado pelo fato do Governador da Bahia, responsável pela compra, ser do PT. Nosso 1º ofício de convocação na CPI da COVID do RN será do ex-secretário do Consórcio Nordeste, Carlos Eduardo Gabas, ex-ministro de Dilma, que comprou por 48 milhões de reais, sendo 5 do RN, respiradores que nunca chegaram aqui e vários potiguares morreram por isso”, disse Kelps por meio das redes sociais.

O deputado acrescentou que “Carlos Gabas conseguiu politicamente escapar da CPI do Senado, mas na do RN ela terá de vir, nem que seja escoltado”.

Especialistas da ONU preparam relatório IPCC sobre clima

Área atingida pelas inundações em Kreuzberg, Alemanha
Os efeitos das mudanças climáticas estão sendo sentidos com cada vez mais força (Wolfgang Rattay/Reuters)

Representantes de quase 200 países se reúnem a partir de segunda-feira, 26, durante duas semanas, para adotar o novo relatório dos especialistas sobre o clima da ONU, um texto de referência que será publicado em 9 de agosto, e que serve como norte para políticas ambientais em todo o planeta e que definem o futuro da humanidade, afetada por uma série de catástrofes naturais.

Desde o último relatório de avaliação dos cientistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), em 2014, o mundo mudou consideravelmente. O Acordo de Paris de dezembro de 2015 estabeleceu como objetivo limitar o aquecimento global “muito abaixo” de +2°C na comparação com a era pré-industrial e, se possível, de +1,5°C. Se o avanço da temperatura continuar no mesmo ritmo, o  aumento de 1,5ºC ocorrerá entre 2030 e 2052 — ou seja, dentro da expectativa de vida de boa parte da população.

Nas últimas semanas, o planeta registrou uma onda de calor sem precedentes no Canadá, incêndios no oeste dos Estados Unidos, inundações catastróficas na Alemanha e na Bélgica e chuvas torrenciais na China. Todas estas alterações haviam sido previstas nos relatórios anteriores sobre o clima.

“Os sinais de alerta estavam aí, mas imagino que as pessoas pensem que acontecerá com os outros, em outro lugar, mais tarde”, comenta Kaisa Kosonen, do Greenpeace.PUBLICIDADE

Até alguns cientistas foram pegos desprevenidos. “O clima mudou mais rápido do que se esperava”, declarou Tim Lenton, da Universidade de Exeter, para quem a forma de atuação do IPCC, por consenso, levou-o a “moderar” sua mensagem no passado.

As pesquisas que devem basear o documento apresentam indícios claros. “Se não reduzirmos nossas emissões na próxima década, não vamos conseguir. O mais provável é que (a meta de) +1,5°C seja alcançada entre 2030 e 2040. Esta é a melhor estimativa que temos hoje”, disse à AFP o climatologista Robert Vautard, um dos autores da primeira parte da avaliação do IPCC.

O documento do IPCC deve ter outros capítulos publicados ao longo do anos meses e até chegar em seu último capítulo em 2022. A parte que inclui os impactos deve mostrar que a vida na Terra mudará em 30 anos, ou mesmo antes. Estes efeitos serão divulgados depois da COP26, a conferência do clima da ONU prevista para acontecer em novembro, em Glasgow.

Muitos esperam que o relatório a ser apresentado em agosto pressione os governos para que apliquem as políticas necessárias. “Estamos enfrentando diariamente a destruição e o sofrimento (…). É importante reconhecer que falamos do futuro do planeta. Não podemos brincar com isto”, insistiu esta semana Patricia Espinosa, um dos principais nomes da ONU para questões climáticas.

Exame

PT teme atentados contra Lula em 2022 e reforça segurança do ex-presidente

PT intensificará a segurança do ex-presidente Lula por temer possíveis atentados contra o metalúrgico
Agência Brasil
PT intensificará a segurança do ex-presidente Lula por temer possíveis atentados contra o metalúrgico

O Partido dos Trabalhadores planeja aumentar a segurança no entorno do es-presidente e pré-candidato a presidência no próximo ano, Luis Inácio Lula da Silva (PT). Isso porque a sigla teme possíveis atentados contra o metalúrgico , tais quais ocorreram contra o próprio presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em 2018, durante um ato de campanha em Juiz de Fora-MG. O capitão do Exército recebeu uma facada de Adélio Bispo e foi levado às pressas à Santa Casa local. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Embora o tema seja tratado de maneira discreta dentro da legenda, a preocupação é óbvia: a radicalização no ambiente político aumentou e, com ela, a animosidade de apoiadores do atual presidente da República. O Ministério Publico, inclusive, solicitou a investigação de supostos militares, apoiadores de Bolsonaro , que realizaram uma manifestação em 21 de março. Em um dos vídeos, um rapaz com trajes utilizados por paraquedistas do Exército brasileiro mandou um recado ao pessoal da “da canhota, da esquerda” e disse que o presidente “não está sozinho, não, tá? Só para lembrar. Junta o que vocês tiver (sic) de melhor e tenta” .

A apuração da Folha revelou que dirigentes petistas divergiram em aumentar o efetivo de segurança de Lula agora, mas o ex-presidente vetou a proposta. Atualmente, o metalúrgico conta com uma escolta de quatro agentes da Polícia Federal e dois motoristas em carros oficiais. Em eventos os quais o petista participa, a segurança é de responsabilidade da organização do evento, muitas das vezes ligados à CUT (Central Única dos Trabalhadores) ou ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). Caso opte por reforçar a segurança, os custos terão de ser pagos pelo PT.

Entre os motivos de preocupação, destaca-se um episódio envolvendo o próprio ex-presidente. Em 2018, ao realizar uma caravana no Paraná, dois ônibus petistas foram atingidos por quatro tiros. Embora ninguém tenha se ferido, os tiros atingiram os automóveis . Após os acontecimentos, Lula reagiu: ” “Podem atirar pedra. Deem tiro no ônibus como deram hoje. Se pensam que com isso vão acabar com minha disposição em lutar, estão enganados”.

IG

Posse de Ciro Nogueira reforça dependência de Bolsonaro do Centrão

O senador Ciro Nogueira (PP-PI) [/fotografo] Agência Senado [/fotografo].
O senador Ciro Nogueira (PP-PI) [/fotografo] Agência Senado [/fotografo].

O presidente Jair Bolsonaro renova seus votos de fé no Centrão, nesta semana, com a posse do senador Ciro Nogueira (PP-PI) na Casa Civil. A chegada do bloco ao Palácio do Planalto reforça a aliança política de Bolsonaro com o partido do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), responsável por dar seguimento ou não aos mais de cem pedidos de impeachment protocolados na Casa.

A data da posse ainda não está confirmada. Deve ser entre terça e quarta-feira. Ciro já avisou aos amigos que promoverá uma grande festa para marcar sua chegada a um dos postos mais estratégicos da Esplanada dos Ministérios. O senador deve atuar na articulação política do governo com o Congresso.

O fortalecimento da presença do Centrão no governo também representa o enfraquecimento dos militares no Planalto, com a saída do atual titular da pasta, general Luiz Eduardo Ramos, que admitiu ter se sentido “atropelado por um trem” ao tomar conhecimento de sua saída da Casa Civil. O Centrão também almeja a recriação do Ministério do Planejamento, hoje sob o guarda-chuva do Ministério do Planejamento.Leia mais

Governo busca acordo para fundo eleitoral

Um dos primeiros potenciais conflitos que Ciro Nogueira terá de resolver será o veto presidencial ou não ao fundo eleitoral, cuja fatura de R$ 5,7 bilhões foi embutida pelo Congresso Nacional na votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2021.

A expectativa é de que Bolsonaro decida sobre o assunto esta semana. O presidente já indicou que vetará o novo valor do fundo, quase triplicado pelos parlamentares. Na última eleição, o montante reservado para as campanhas eleitorais era de R$ 2 bilhões.

Deputados da base governista reclamaram do aumento – mesmo após terem votado sim à proposta – e mesmo o novo decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, disse que já alertou sobre o risco dessa medida.

Bolsonaro chegou a acusar o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM) pela aprovação do fundo. Ramos, que é aliado de Arthur Lira e sempre foi crítico ao governo, reagiu de maneira dura às declarações do presidente.

“É uma cifra enorme, que, no meu entender, está sendo desperdiçada, caso ela seja sancionada. Posso adiantar para você que não será sancionada. Eu tenho que conviver em harmonia com o Legislativo. E nem tudo que eu apresento ao Legislativo é aprovado e nem tudo que o Legislativo aprova, vindo deles, eu tenho obrigação de aceitar para o lado de cá. Mas a tendência nossa é não sancionar isso daí em respeito ao trabalhador, ao contribuinte brasileiro”, afirmou Bolsonaro em entrevista na semana passada.

Um dos acordos costurados entre o presidente e o Centrão prevê o veto ao aumento e o envio de um novo projeto do Executivo modificando a LDO, com a previsão de R$ 3 bilhões para o fundo eleitoral. Os parlamentares não derrubariam o veto de Bolsonaro à medida e votariam a proposta somente depois de a poeira baixar, elevando esse valor para algo em torno de R$ 4 bilhões.

Congresso em Foco

80% da população não são suscetível ao coronavírus e nem transmite a niguém, diz Karl Friston

Saiba quais são as semelhanças e diferenças entre COVID-19 e gripe -  OPAS/OMS | Organização Pan-Americana da Saúde
Foto da Internet

Há apenas um mês, a ideia de que a maioria das pessoas não é suscetível ao Covid-19 seria considerada negacionismo.

No início de maio, o Professor de Stanford e Prêmio Nobel Michael Levitt afirmou à Freddie Sayers, em entrevista ao LockdownTV/UnHerd, que as curvas de crescimento da doença nunca foram realmente exponenciais, sugerindo algum tipo de “imunidade anterior”.

Hoje, porém, evidências de algum nível de resistência e imunidade anteriores à Covid-19 estão presentes em artigos publicados revisados por pares. Por exemplo, o estudo Targets of T Cell Responses to SARS-CoV-2 Coronavirus in Humans with COVID-19 Disease and Unexposed Individualspublicado em meados de maio na revista científica Cell, da Elsevier, sugere que 40% a 60% das pessoas não expostas têm resistência de outros coronavírus.

“É importante ressaltar que detectamos células T CD4+ reativas ao SARS-CoV-2 em 40% a 60% dos indivíduos não expostos, sugerindo o reconhecimento de células T reativas cruzadas entre coronavírus circulantes de resfriado comum e SARS-CoV-2″, diz o artigo.

Células CD8+ e CD4+ específicas para SARS-CoV-2 foram identificadas em ∼70% e 100% dos pacientes convalescentes com Covid-19. Células CD4+ reativas à SARS-CoV-2 foram detectadas em ~40% a 60% de indivíduos não expostos. © Alba Grifoni et al, Elsevier Inc
Células CD8+ e CD4+ específicas para SARS-CoV-2 foram identificadas em ∼70% e 100% dos pacientes convalescentes com Covid-19. Células CD4+ reativas ao SARS-CoV-2 foram detectadas em ~40% a 60% de indivíduos não expostos. © Alba Grifoni et al., Elsevier Inc

São quatro os coronavírus responsáveis pelo resfriado comum: Alpha coronavírus 229E e NL63, Beta coronavírus OC43 e o HKU1. Eles circulam por todo o mundo. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem.

Agora, de um membro proeminente do SAGE, o grupo criado para desafiar os pareceres científicos do governo britânico, vem a afirmação de que a parcela das pessoas que não são suscetíveis ao Covid-19 pode chegar a 80%.

O professor Karl Friston, como Michael Levitt, não é um virologista; sua experiência é compreender processos biológicos complexos e dinâmicos, representando-os em modelos matemáticos. No campo da neurociência, ele foi classificado pela revista Science como o mais influente do mundo. É regularmente citado como um cientista que provavelmente será agraciado com um Nobel.

Friston inventou uma técnica chamada de “mapeamento paramétrico estatístico” para entender a imagem cerebral e, nos últimos meses, ele vem aplicando seu método particular de análise bayesiana, que ele chama de “modelagem causal dinâmica”, aos dados disponíveis da Covid-19.

“Até o momento, nossas previsões foram precisas dentro de um ou dois dias; portanto, há uma validade preditiva em nossos modelos que os convencionais não possuem”, explicou Friston ao The Guardian.

Seus modelos sugerem que a grande diferença entre os resultados no Reino Unido e na Alemanha, por exemplo, não é primariamente um efeito de diferentes ações governamentais, mas é melhor explicada pelas diferenças entre as populações, que fazem a “população suscetível” da Alemanha muito menor do que no Reino Unido.

“O fato é que o alemão médio tem menos probabilidade de ser infectado e morrer do que o britânico médio. Por quê? Existem várias explicações possíveis, mas uma que parece cada vez mais provável é que a Alemanha tenha mais “matéria escura” imunológica – pessoas que são impermeáveis à infecção, talvez porque estejam geograficamente isoladas ou tenham algum tipo de resistência natural. É como a matéria escura no universo: não podemos vê-la, mas sabemos que deve estar lá”, especulou.

A matéria escura específica mencionada acima compreende um subconjunto da população que participa da epidemia de uma maneira que os torna menos suscetíveis à infecção – ou menos propensos a transmitir o vírus. Esse tipo de matéria escura representa um desvio das abordagens epidemiológicas básicas de doenças infecciosas que assumem 100% de suscetibilidade da população.

Tecnicamente, a evidência para essa matéria escura é esmagadora; no sentido de que a evidência (também conhecida como probabilidade marginal) de modelos com essa subpopulação é muito maior do que a evidência de modelos equivalentes sem ela”, escreve Friston.

O cientista  destaca que uma vez que se incorpora no modelo comportamentos que as pessoas adotam de qualquer maneira, como ficar na cama quando estão doentes, o efeito do lockdown “literalmente desaparece”.

Sua explicação para os resultados de mortalidade notavelmente semelhantes na Suécia (sem lockdown) e no Reino Unido (lockdown total) é que “eles não eram realmente diferentes. Porque no final das contas, os processos reais que entram na dinâmica epidemiológica – os comportamentos reais, o distanciamento, foram especificados evolutivamente pela maneira como nos comportamos quando temos uma infecção”.

Isso significaria que a principal suposição subjacente por trás dos lockdowns, tipificada pelas famosas previsões do Imperial College – sem controle a doença contaminaria toda a população de todos os países e mataria cerca de 1% dos infectados, levando a incontáveis milhões de mortes em todo o mundo – estava errada, por um grande fator.

Contudo, Friston disse que as premissas dos modelos de Neil Ferguson estavam todas corretas, “sob a qualificação de que a população de quem eles estavam falando é muito menor do que você imagina”. Em outras palavras, Ferguson estava certo de que cerca de 80% das pessoas suscetíveis seriam rapidamente infectadas, e estava certo de que entre 0,5% e 1% morreria, mas não percebeu que a população suscetível era apenas uma pequena parcela de pessoas no Reino Unido e uma parcela ainda menor em países como a Alemanha e outros países.

O que muda tudo.

Em circunstâncias normais, a maioria das pessoas nunca irá contrair a doença.

Naturalmente, cenários com uma carga viral muito alta, como médicos que tratam pacientes com Covid-19 em hospitais, podem vencer essas defesas.

A maior ação governamental coordenada da história, fechando à força a maioria das sociedades do mundo com consequências que podem durar gerações, teria sido baseada em ciência falha.

Os efeitos colaterais na América já podem ser mais mortais do que a pandemia.

Scott Atlas, da Hoover Institution, estima que as conseqüências do desemprego, da falta de consultas médicas e de outros fatores durante os dois meses de lockdown levarão a tantas mortes extras que os americanos perderão 1,5 milhão de anos acumulados de vida, o dobro do total perdido até o momento com a Covid-19.

Atualização 26/06/2020 – Estimativas do Dr. Friston para o Brasil.

“Dessa forma, a análise apontou que a porcentagem da população brasileira imune à covid-19 (que já se recuperou da doença após apresentar sintomas leves) seria de 7%; a parcela não-suscetível ao coronavírus (que têm algum tipo de “resistência” natural) seria de 61%”, reportou o Estadão em 26 de junho.

Com informações da LockdownTV/UnHerd, The Guardian, Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), City Journal, Hoover Institution (Stanford)

Frontliner

‘FICA EM CASA’: No Brasil, 19 milhões acordam sem saber se vão conseguir alguma refeição para o dia

Foto: Reprodução/TV Globo
Foto da Internet

Dezenove milhões de brasileiros acordam atualmente sem saber se vão conseguir alguma refeição para o dia. Dois anos atrás, eram 10 milhões. Essa situação tem levado famílias brasileiras a cenas tristes como a disputa por ossos para se alimentar. As informações são do programa Fantástico, da TV Globo.

Em Cuiabá, uma cena chama atenção: a distribuição de pedaços de ossos com retalhos de carne tem formado filas. O açougue, que distribui os ossos há dez anos, diz que isso acontecia antes apenas uma vez por semana e, agora, são três. A crise provocada pela pandemia só fez a fila crescer.

“Tem gente que pega e já come cru, ali mesmo”, se emociona Samara Rodrigues de Oliveira, dona do local.

Desde o início da pandemia, o arroz ficou 56% mais caro e o preço do feijão preto aumentou 71%. A saída para muitos brasileiros tem sido os grãos de segunda linha, como arroz fragmentado e feijão bandinha, que vem quebrados e com mais impureza.

Foto: Reprodução/TV Globo

BG

Kajuru diz que “Centrão está no comando” do governo Bolsonaro

O senador Jorge Kajuru (Podemos-GO) voltou a polemizar com o presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista à Jovem Pan, o parlamentar afirmou que o “Centrão está no comando” do governo federal e disse que a gestão passa pelo seu pior momento.

“Saber que o Ciro vai para Casa Civil é baixar o nível ao subterrâneo. O Centrão está no comando. E o Bolsonaro vai acabar indo para o PP”, declarou.

Segundo Kajuru, “a chance de colocar o Centrão nesses postos do governo e trazer corrupção para dentro do governo é muito grande”.

BG

Natal: Tremor foi mais sendido por quem mora em prédios altos

Percepção de tremor é maior em prédios mais altos — Foto: Canindé Soares
Percepção de tremor é maior em prédios mais altos — Foto: Canindé Soares

Durante a madrugada deste domingo (25), o litoral do Rio Grande do Norte registrou cinco tremores de terra, sendo um deles sentido em Natal e em outras cidades do interior do estado.

Segundo o coordenador do Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis), Aderson Nascimento, o trecho onde ocorreu os tremores é denominado de plataforma continental. A falha que gerou o tremor fica a alguns quilômetros da costa potiguar.

Ele explica que ao longo dos últimos 40 anos foram detectados tremores de terra na região, mas que na magnitude de 3.5, como o que foi sentido em Natal, são mais raros.

“A gente tem detectado vários eventos ao longo dos últimos 30, 40 anos. Alguns deles na plataforma continental, nessa região, que fica próxima ao litoral do Rio Grande do Norte. Mas nessa magnitude, que é um pouco maior, que as pessoas já sentem, esse é um dos primeiros”, diz.

O professor explica que esses eventos foram decorrentes falhas geológicas que estão sendo reativadas. “A causa dos terremotos aqui no Nordeste e na Bacia Potiguar, como foi em João Câmara e em várias outras regiões no RN em particular, são falhas geológicas que estão sendo reativadas. Muito embora a gente esteja no interior de uma placa, toda placa tectônica possui algumas imperfeições”.

Coordenador do Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis), Aderson Nascimento — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Coordenador do Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis), Aderson Nascimento — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

Ele conta que devido à pressão que existe no interior da terra, “essas falhas são pressionadas, começam a acumular energia e quando elas não podem mais acumular energia, elas se rompem. Essa energia que estava acumulada vai na forma de vibração”.

O professor Aderson Nascimento reforça, no entanto, que eventos de magnitude 3.5, como o que foi sentido em Natal, não oferecem riscos mais sérios.

“O maior deles foi um terremoto de 3.5. E terremotos dessa magnitude não provocam nenhum tipo de maremotos, tsunamis. Pra essa magnitude não há esse risco”, pontua.

Percepção é maior em prédios

Segundo o coordenador do LabSis, para terremotos dessa magnitude serem sentidos em Natal, eles precisam acontecer a uma distância de cerca de 80 a 90 quilômetros. E as pessoas que moram em prédios altos tendem a sentirem mais o tremor.

“Os prédios são estruturas que estão ancoradas no solo. Então, qualquer vibração embaixo, lá em cima ela é amplificada. Ao passo que se você tiver no solo, como a maioria das casas, você não sente tanta vibração”, explica.

Com cidade mais vertical e mais prédios, população pode ter sentido mais o tremor — Foto: Canindé Soares/Ascom-RN

Com cidade mais vertical e mais prédios, população pode ter sentido mais o tremor — Foto: Canindé Soares/Ascom-RN

“Quanto mais alto o prédio, você tem maior amplificação do movimento que está tendo lá embaixo. É como um pêndulo de relógio invertido, que a parte de baixo se move e a de cima é movimentada de forma mais amplificada. É comum as pessoas que moram em prédios muito altos sentirem os tremores”.

Outro facilitador para a percepção das pessoas, de acordo com o professor, foi o horário em que aconteceu o evento de magnitude 3.5: às 0h30.

“Foi num horário bem no começo da madrugada. Geralmente as pessoas estão recolhidas, os ruídos ambientais de tráfego, de circulação de pessoas é praticamente inexistente, então as pessoas estão com a percepção mais aguçada para sentir esses eventos”.

Tremor pode ser ouvido

Muitos moradores da Grande Natal relataram ter ouvido um estrondo antes do tremor. E o professor Aderson Nascimento diz que isso é possível.

“O evento foi há pouco mais de 20 km do litoral de Touros. Então naquelas praias todas do litoral Norte, as pessoas devem ter sentido, porque elas já estavam numa distância bem menor. E eles certamente devem ter escutado também, o que é natural. A gente conhece também relatos de quando os eventos ocorrem no interior do continente, as pessoas às vezes escutarem, além de sentirem a vibração”, diz.

Praia de Touros, no litoral Norte potiguar — Foto: Canindé Soares

Praia de Touros, no litoral Norte potiguar — Foto: Canindé Soares

“Como eles estão mais próximos do epicentro, eles devem ter sentido com maior intensidade essas vibrações do que pessoas que estavam aqui em Natal por exemplo. Você geralmente só escuta eventos menores se você estiver bem próximo a eles. E foi o caso dessas pessoas”.

Ele cita inclusive que em Touros, alguns moradores relataram dois tremores – um deles ocorreu 20 minutos antes do mais forte (3.5) e foi de 3.0 de magnitude. Esse último não foi sentido em Natal, pela distância.

“Teve um outro evento de magnitude 3.0 que as pessoas devem ter sentido também, quem estava próximo. Em Natal, talvez não. Mas algumas pessoas em Touros relatam dois eventos”, cita.

Monitoramento e Falha de Samambaia

O professor Aderson Nascimento explica ainda que não é possível saber como essas falhas vão evoluir. Por isso, é necessário monitoramento. “Como essas falhas vão desenvolver ou evoluir, a gente não tem como saber. Então, por isso que o monitoramento é uma ferramenta importantíssima”, explica.

Evento foi sentido pela estação de Riachuelo — Foto: Divulgação/LabSis

Evento foi sentido pela estação de Riachuelo — Foto: Divulgação/LabSis

Sobre a reativação dessa falha, ele diz é preciso “continuar o monitoramento para ter uma ideia maior de qual é a extensão, a dimensão dela”, além de “algum tipo de metodologia que permita dizer a profundidade desses eventos”.

Ele disse ainda que não dá para afirmar que há uma possível relação dessa falha como a Falha de Samambaia, considerada a maior falha geológica do Brasil, com 38 km de comprimento por cerca de 4 km de largura e que atravessa os municípios de Parazinho, João Câmara, Poço Branco e Bento Fernandes. A profundidade dela varia entre 1 e 9 km

“Pra poder dizer que isso é uma extensão da falha, é perigoso, a gente tem poucos eventos, a gente precisaria fazer esse trabalho mais apurado de determinação dos epicentros. É uma hipótese. Nos trabalhos científicos, as hipóteses tem que ser levadas em conta, mas tem que ter o aval e o suporte de observações. Por enquanto, nós não temos observações suficientes pra afirmar que é. É uma hipótese que precisa ser testada”.

G1RN

RN sem segurança: donos de barcos, pai e filho, sofrem sequestro relâmpago no Cais da Tavares de Lira em Natal

Cais da Tavares Lira, Ribeira, Natal RN  — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi
Cais da Tavares Lira, Ribeira, Natal RN — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Pai e filho sofreram um sequestro relâmpago na noite deste sábado (24) no Cais da Tavares de Lira, na Zona Leste de Natal, às margens do Rio Potengi.

De acordo com a Polícia Militar, os dois são donos de barcos e estavam fazendo pagamentos a estivadores e mecânicos que chegavam do mar e descarregavam atum. Foi nesse momento que os criminosos anunciaram o assalto.

As vítimas foram levadas no próprio carro e as testemunhas contaram à polícia que os criminosos foram agressivos.

Policiais fizeram buscas pela Ribeira, em Natal — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Policiais fizeram buscas pela Ribeira, em Natal — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

A Polícia Militar fez buscas à procura das vítimas e dos criminosos. As viaturas circularam pela Ribeira e outros bairros da Zona Leste. De acordo com a polícia, essa não foi a primeira vez que uma das vítimas foi sequestrada.

Após quase duas horas, os reféns foram libertados. A PM voltou ao cais para avisar aos trabalhadores e às pessoas que conhecem as vítimas.

Os detalhes da libertação e o estado de saúde das vítimas não foram informados. A Polícia Civil vai investigar o caso.

G’RN