Archive for janeiro 25th, 2021

Comboio com 160 mil m³ de oxigênio chega em Manaus

Comboio com oxigênio enviado de Porto Velho (RO) chegou a Manaus neste domingo. — Foto: Patrick Marques/G1 AM
Comboio com oxigênio enviado de Porto Velho (RO) chegou a Manaus neste domingo. — Foto: Patrick Marques/G1 AM

Seis caminhões que saíram de Porto Velho (RO) com uma carga de cerca de 160 mil m³ de oxigênio chegaram a Manaus pouco antes das 12h deste domingo (24). A carga de oxigênio foi fornecida pelo governo federal, para ajudar no controle do novo surto da Covid-19. Desde a semana passada, a cidade sofre com falta de oxigênio nos hospitais, e já transferiu mais de 200 pacientes para continuarem o tratamento da Covid em outros estados.

A intenção de cruzar 838 quilômetros pela BR-319, que liga Manaus a Porto Velho, era economizar tempo. A viagem de balsa pelo Rio Madeira levaria 6 dias.

“Era a previsão inicial, porque ia depender se ia chover, o que de fato aconteceu. Só ontem que não choveu. Em razão de não ter chovido ontem, foi que o comboio avançou e conseguiram se juntar”, explicou Lamego sobre o tempo de demora no trajeto.

G1AM

Protesto e conflito com uso de gás de pimenta suspendem eleição de delegados para votação do Plano Diretor de Natal

Guarda municipal lança spray de pimenta contra manifestantes do MLB em Natal — Foto: Reprodução
Guarda municipal lança spray de pimenta contra manifestantes do MLB em Natal — Foto: Reprodução

Uma confusão marcou o primeiro dia da pré-conferência para eleição de delegados da Conferência Final do Processo de Revisão do Plano Diretor de Natal, na manhã desta segunda-feira (25). Integrantes do MLB fizeram um protesto e trancaram a quadra onde aconteceria a reunião. A guarda municipal usou spray de pimenta para dispersar o grupo e abrir o local. O encontro acabou sendo cancelado.

O caso aconteceu na quadra de esportes localizada na Praça Augusto Leite, no Bairro Tirol, Zona Leste da cidade. As datas da eleição tinham sido divididas por segmento a fim de garantir as medidas sanitárias e de distanciamento contra a Covid-19 e nesta segunda, a votação seria com os movimentos populares.

De acordo com Matheus Araújo, um dos coordenadores do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), um grupo com cerca de 60 pessoas foi ao local votar, porém, os candidatos do grupo não estavam na lista, o que gerou o protesto.

“Hoje nós somos o maior movimento na cidade e participamos das oficinas que nos garantiam a participação na eleição. Levamos identidade, estava tudo certo, mas não tinha ninguém do movimento na lista dos candidatos. Fomos impedidos de votar e resolvemos protestar por isso”, afirmou.

Protesto aconteceu na manhã desta segunda-feira (25) em quadra de esportes onde acontecia votação para delegados do plano diretor de Natal. — Foto: Reprodução
Protesto aconteceu na manhã desta segunda-feira (25) em quadra de esportes onde acontecia votação para delegados do plano diretor de Natal. — Foto: Reprodução

Ele ainda afirmou que a Guarda Municipal agiu com violência contra o grupo que estava no local, que era composto também por mulheres e crianças. “Usaram spray de pimenta e também choque”, disse. “Mas só abrimos quando cancelaram a votação”, complementou.

Segundo a Guarda Municipal, houve tentativa de negociação e a força foi usada, de forma progressiva, para permitir o direito de ir e vir das outras pessoas que estavam no local – algumas delas teriam passado mal, diante da situação. Ainda de acordo com o comando, o gás foi usado para dispersão, mas não foi direcionado no rosto dos manifestantes.

“O MLB trancou o portão do acesso, não deixando as pessoas entrarem nem saírem e foi necessária a intervenção da guarda. A gente começou uma negociação, mas como eles continuaram, e havia pessoas lá dentro, demos início ao uso progressivo da força. Não houve ninguém ferido ou preso”, afirmou o subcomandante da Guarda Municipal, Carlos Cruz, que comanda interinamente os agentes municipais.

A prefeitura ainda não informou quando haverá a votação prevista para esta segunda (25). A previsão é que nesta terça-feira (26) seja a votação com organizações não governamentais com atuação na área do desenvolvimento urbano e ambiental. Já no dia 27 de janeiro, serão as entidades profissionais, acadêmicas e de pesquisa e conselhos profissionais. No dia 28, empresários relacionados à produção e ao financiamento do desenvolvimento urbano. E por fim, no dia 29, com os trabalhadores por suas instituições sindicais.

G1 também entrou em contato com a Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo, mas ainda aguarda o posicionamento oficial da pasta sobre o assunto.

G1RN

Nova Lima/MG: Prefeitura ia comprar remédios para a profilaxia, mas desiste por pressão de secretário que prefere que o povo morra

Fachada da prefeitura de Nova Lima, na Grande BH. — Foto: TV Globo/Reprodução
Fachada da prefeitura de Nova Lima, na Grande BH. — Foto: TV Globo/Reprodução

O secretário de saúde de Nova Lima, na grande BH, Rafael Guerra, entregou o cargo na tarde deste domingo (24). O comunicado foi feito pelo prefeito da cidade, João Marcelo Dieguez (Cidadania), nas redes sociais.

A saída ocorreu dois dias após a prefeitura abrir edital para compra de medicamentos para uso na profilaxia e combater o avanço da Covid-19. O documento prevê a compra de 60 mil comprimidos de hidroxicloroquina de 400 mg; 100 mil de ivermectina, de 6 mg, e 20 mil comprimidos de azitromicina, de 500 mg.

No edital, o executivo justificou que os remédios seriam necessários no enfrentamento à pandemia.

Em conversa com o G1, servidores acusaram a Secretaria Municipal de Saúde de recomendar os medicamentos para servidores e moradores do município.

“Esse tratamento estava sendo imposto para os profissionais. As pessoas receberiam o seu kit de tratamento para o mês todo. Todas as pessoas com mais de 60 anos, que quisessem, receberiam o kit com a ivermectina, para o mês. E as pessoas, se fossem profissionais da saúde e, depois, profissionais da educação e da segurança pública, iriam receber o kit com ivermectina e hidroxicloroquina”, denuncia um funcionário que preferiu não se identificar.

Pressionada, a prefeitura de Nova Lima voltou atrás neste domingo e informou, por meio de nota, que o processo licitatório será cancelado nesta segunda-feira (25).

O secretário idiota prefere ver as pessoas morrendo, do que usar a profilaxia.

G1MG

Galpões que custam R$ 1 milhão por mês reúnem respiradores e testes de Covid nunca usados pelo RJ; MP investiga contratos

Imagem capturada do Fantástico/ TV Globo

Por quase dois meses, o Fantástico analisou todos os cerca de 70 contratos assinados pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro com base na chamada “Lei Covid”, que autorizou o poder público a fazer compras emergenciais sem licitação durante a pandemia.

A equipe de reportagem também teve acesso, com exclusividade, a galpões que armazenam produtos de uma engrenagem de desvio de dinheiro público, segundo uma investigação do Ministério Público estadual do Rio de Janeiro.

São respiradores superfaturados e que não funcionam; milhares de testes de Covid reprovados, que não prestam para nada, mas custaram o dobro do preço de mercado; macas tão frágeis que quebraram com o peso dos pacientes; e produtos comprados sem necessidade e que podem perder a validade por falta de uso.

Além do prejuízo já causado aos cofres públicos, o estado continua gastando só para armazenar os produtos: desde agosto de 2020, os custos são de R$ 1 milhão ao mês.

A corrupção também é vista no desperdício. Na Coordenação Geral de Armazenagem da Saúde, em Niterói, na Região Metropolitana, ficam guardados todos os insumos comprados pelo governo antes de serem levados para hospitais e postos de saúde.

Mais de 300 toneladas de equipamentos estão no local, vencidos e indisponíveis para a população. Tudo será incinerado. Como a medicação não pode ser tratada como lixo comum, a incineração vai custar aos cofres públicos mais de R$ 3 milhões.

Na mesma coordenação de armazenagem, 40 mil máscaras estão depositadas. O Governo do Estado comprou o material, que é feito de papel e não serve para proteger contra a Covid-19.

Desde 2007, diferentes esquemas de corrupção na Saúde do Rio desviaram mais de R$ 1,7 bilhão dos cofres do Estado. O valor, revelado pelo G1, superava os gastos com a pandemia.

Ministério Público Federal apurou desvios de pelo menos R$ 1,7 bilhão na saúde do Rio

Hospitais: símbolos da corrupção

Os hospitais de campanha representam o maior gasto do estado do durante a pandemia: o contrato de R$ 835,7 milhões assinado com a Organização Social Iabas previa a abertura das unidades no estado com 1,4 mil leitos que atenderiam apenas pacientes com Covid-19.

Dos sete anunciados pelo governador Wilson Witzel, apenas dois foram construídos: no Maracanã e em São Gonçalo.

Witzel foi afastado do cargo pelo Superior Tribunal de Justiça e aguarda hoje seu processo de impeachment ser concluído em um Tribunal Especial Misto.

Empresário diz que Witzel, governador afastado do RJ, participava de ‘caixinha da propina’

As duas unidades já foram desmontadas. Um terço do contrato foi pago. O Iabas recebeu R$ 256 milhões dos cofres públicos.

“Muitos aparelhos desse que nós encontramos no fechamento do Maracanã nós estamos usando para botar em outras unidades”, afirmou o atual secretário estadual de Saúde, Carlos Alberto Chaves.

Em uma sessão do impeachment do Tribunal Especial Misto, Edson Torres, apontado como ex-operador financeiro do esquema investigado no governo do Estado entre 2018 e 2020, disse que pagava propina ao secretário de Saúde Edmar Santos. Ele afirmou ainda que pagou quase R$ 1 milhão a Witzel antes da eleição; Witzel nega.

Uma técnica de enfermagem revelou que passou por várias dificuldades no Hospital de Campanha do Maracanã, inclusive com a impossibilidade de salvar pacientes:

“No meu primeiro dia mesmo, que teve paciente para mim, eu fiz cinco pacotes de corpo. Foram cinco óbitos numa madrugada”

Fraude na compra de testes

Em abril, logo após o início da pandemia, o governo Witzel comprou 50 mil testes contra a doença pelo valor de R$ 9 milhões, cerca de R$ 180 por unidade. Atualmente, no entanto, o produto é encontrado em qualquer farmácia por metade deste valor.

Os testes não tiveram a eficácia comprovada pela vigilância sanitária do estado, que proíbe a venda e o uso deste produto no Rio. O contrato da compra dos testes foi assinado em 30 de março de 2020, 19 dias depois do início da pandemia, por Gabriell Neves, então subsecretário-executivo de Saúde.

O negócio foi feito sem nenhum parecer técnico. O chefe dele era Edmar Santos, secretário de Saúde à época. Ambos acabaram presos. O valor de R$ 9 milhões foi pago à empresa Totalmed, e agora o secretário Carlos Alberto Chaves quer receber o valor de volta.

Perguntado se houve corrupção na compra dos produtos, ele foi taxativo:

“Não tenho a mínima dúvida [se houve corrupção]. Sem dúvidas. Era uma situação extremamente fácil de se ver. Era primária. Pronto, uma situação primária. Todo processo que é feito de uma maneira confusa, ele facilita a corrupção”, avaliou Chaves.

G1RJ

AM: governo diz que vacinas de Oxford recebida do governo federal serão enviadas ao interior a partir de terça (26)

Vacinas de Oxford em Manaus. — Foto: Divulgação/Secom
Vacinas de Oxford em Manaus. — Foto: Divulgação/Secom

O Governo do Amazonas informou que as 132.500 doses da vacina contra Covid-19 de Oxford (a AstraZeneca), que chegaram a Manaus nesse sábado (23), serão distribuídas para as cidades do interior a partir desta terça-feira (26).

No início desta semana, 282 mil doses da CoronaVac chegaram ao Amazonas e foram distribuídas na terça-feira (19) aos municípios. A prioridade é para profissionais de saúde, idosos que residem em instituições de longa duração, indígenas aldeados e pessoas com deficiência.

Neste sábado (23), o Amazonas ultrapassou a marca de mais de 7 mil mortos pela Covid-19. Em todo o estado, mais de 248 mil pessoas foram infectadas.

Nesta segunda-feira (25), começará o processo de agendamento para a distribuição. Os municípios precisam realizar o agendamento com 24 horas de antecedência, porque as doses precisam sair com escolta, informou a enfermeira Ângela Desiree, do Departamento Epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM).

Segundo Desiree, as doses ficarão nos contêineres refrigerados na temperatura necessária, de 2 a 8 graus. A previsão do governo é que as doses cheguem em todas as cidades programadas em até 48 horas, a partir do início da distribuição.

G1AM

Sem ciência Dória fecha São Paulo mais uma vez. Até quando o comércio vai aguentar?

Doria diz a caciques tucanos que manterá linha contra Bolsonaro | Poder360
Sérgio Lima/Poder360 – 5.fev.2020

A fase vermelha da quarentena, que permite o funcionamento apenas de serviços essenciais, passa a valer das 20h às 6h em dias úteis a partir desta segunda-feira (25) em todas as regiões do estado de São Paulo.

As regras da fase vermelha também vão valer aos sábados, domingos e feriados, durante todo o dia. As restrições à noite e durante os finais de semana valem até, pelo menos, 8 de fevereiro.

O governo fez alterações no Plano São Paulo, que divide o estado em 17 regiões e regula o que pode funcionar em cada uma delas. A mudança foi anunciada pelo governo de João Doria (PSDB) na última sexta-feira (22) após mais uma semana de piora nos indicadores de Covid-19 no estado.

Segundo o plano, durante a fase vermelha, podem operar apenas serviços essenciais, como supermercados, padarias e farmácias (veja a lista completa abaixo). O atendimento presencial em lojas, restaurantes e lanchonetes fica proibido, mas serviços de delivery podem funcionar normalmente.

Principais dúvidas

  • O que é o Plano São Paulo?
  • O que pode funcionar na fase vermelha?
  • O que pode funcionar na fase laranja?
  • O que pode funcionar na fase amarela?
  • O que funciona à noite e aos finais de semana?
  • Qual é a classificação atual no estado?
  • Até quando vale a atual classificação?
  • Quais são os critérios para determinar cada fase?
  • Quais foram as principais mudanças feitas no plano desde sua criação?

G1SP

RN recebeu R$ 18,3 bi do governo Bolsonaro só em 2020

A estimativa do total de recursos e benefícios do Governo Federal enviados ao Rio Grande do Norte em 2020 chegou a R$ 18,3 bilhões, de acordo com dados divulgados pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República – SECOM.

A maior parcela, R$ 9,7 bilhões, se refere a recursos transferidos para o Estado e seus municípios. Já os benefícios aos cidadãos chegaram a R$ 5,5 bilhões. Há também a suspensão da dívida, que é de R$ 1,3 bilhão.

A Secom destacou ainda a quantia de R$ 1,8 bilhão enviada para a área da Saúde, entre valores de rotina e recursos para o combate da pandemia do novo coronavírus.

Segundo a secretaria, os número podem variar em função da sobreposição de repasses.

Fonte: Portal Grande Ponto

Inscrição do século VI dedicada a Jesus é achada em Israel

A descoberta ocorreu no Vale de Jezreel, comunidade de Tayibe — Foto: Divulgação/Tzachi Lang/Autoridade de Antiguidades de Israel

Uma pedra com a frase “Cristo nasceu de Maria” levou arqueólogos a confirmarem a existência de igrejas cristãs em assentamentos primitivos árabes há, no mínimo, 1.500 anos, em Israel.

O artefato, anunciado por pesquisadores do Instituto de Antiguidade de Israel nesta semana, mostra evidências de templos antes do advento do Islã e sugere também que eles continuaram em atividade no período muçulmano.

A descoberta ocorreu no Vale de Jezreel, comunidade de Tayibe, cidade ao norte de Israel. Agora, a região, marcada por presença árabe, mostra que o seu passado viveu o cristianismo ao menos até o século V, o que era passível de confirmação científica para os pesquisadores.

“A importância da inscrição é que até agora não sabíamos com certeza se havia igrejas deste período nesta área”, afirmou o arqueólogo Walid Atrash, da Autoridade de Antiguidades de Israel, ao jornal The Times of Israel.

De acordo com os arqueólogos, a pedra foi achada em um lugar que seria a parede de uma entrada da igreja erguida com estrutura da era bizantina. Neste período, dominado pelo Império Romano, as artes tinham fortes traços políticos-religiosos.

Os textos encontrados na pedra sugerem que igreja teria sido fundada no final do século V, pelo arcebispo regional de Beit She’an, conhecido pelo nome de “Teodósio”.

Segundo Walid Atrash, apesar do achado, a confirmação da existência de igrejas na região “não é surpreendente” visto que já haviam sido achadas ruínas de supostos templos cristãos. O que os estudiosos não tinham eram confirmações de que a presença cristã era do período bizantino.

Os pesquisadores creem que a igreja durou até o começo do período muçulmano. A partir de agora, os estudos seguem para descobrir se o tempo foi contruído por cristãos ou por judeus.

O significado da escritura

A frase “Cristo nasceu de Maria” está em uma pedra que continha sete linhas de escritos parcialmente destruídos pelo tempo.

De acordo com a pesquisadora do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica de Jerusalém Leah Di Segni, a expressão “Cristo nasceu de Maria” serve como um amuleto de sorte para afastar mau-olhado.

A menção do arcebispo Teodósio na inscrição é mais uma evidência de que a pedra não estava em um mosteiro, mas em uma igreja.

“A inscrição saúda aqueles que entram e os abençoa. Portanto, é claro que o edifício é uma igreja, e não um mosteiro: as igrejas saudavam os crentes na entrada, enquanto os mosteiros tendiam a não fazer isso”, disse Di Segni.

Segundo os pesquisadores, a inscrição ficava dentro da parede, não sendo visível. A suspeita é de que a igreja tenha sido destruída durante um dos diversos terremotos que atingiram a região.

Fonte: CNN

Dnit faz interdição parcial da Avenida Tomaz Landim durante obras no Gancho de Igapó em Natal

Mapa divulgado pelo Dnit mostra ponto de interdição e rota alternativa para motoristas na obra do Gancho de Igapó, em Natal. — Foto: Dnit/Divulgação
Mapa divulgado pelo Dnit mostra ponto de interdição e rota alternativa para motoristas na obra do Gancho de Igapó, em Natal. — Foto: Dnit/Divulgação

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit) anunciou que vai fazer uma interdição parcial da avenida Tomaz Landim durante as obras de implantação das pistas marginais e drenagem do Complexo Viário do Gancho de Igapó, na Zona Norte de Natal. O trecho será fechado entre a próxima terça-feira (26) e a sexta-feira (29).

De acordo com o Dnit, haverá necessidade de interromper, provisoriamente, o tráfego de veículos no corredor de ônibus, no sentido Centro de Natal/Ceará-Mirim, nas proximidades da Av. das Fronteiras. A intervenção iniciará às 8h, da próxima terça-feira (26).

Durante o período, os condutores de veículos de passeio com destino ao comércio local poderão utilizar como desvio a seguinte rota: Rua Pastor Joaquim, 1ª Travessa Av. das Fronteiras à esquerda e Rua João Rodrigues da Silva, com retorno na Av. Tomaz Landim. Veja o mapa acima.

O DNIT esclarece que, durante esse período, não haverá nenhuma alteração nos locais de parada dos transportes coletivo de passageiros.

G1RN

RN: Novos PMs dormem no chão enquanto aguardam distribuição para unidades, diz associação

Parte dos novos soldados da PM dormem em colchonetes no chão em unidades no interior do RN, segundo associação — Foto: Cedida
Parte dos novos soldados da PM dormem em colchonetes no chão em unidades no interior do RN, segundo associação — Foto: Cedida

Parte dos mil novos soldados formados pela Polícia Militar do Rio Grande do Norte no final de 2020 está dormindo no chão e sem distanciamento adequado – previsto para prevenção do coronavírus – dentro de unidades da corporação no interior do estado, segundo a Associação de Cabos e Soldados da PM.

De acordo com a associação, os militares aguardam a distribuição definitiva para unidades nos 167 municípios potiguares, mas, por enquanto, foram enviados provisoriamente para alguns comandos, onde estão trabalhando em escalas de 12 horas.

“Como não sabem quando vai ser a distribuição definitiva, que pode ser a qualquer momento, eles não têm condições de pagar dois aluguéis. Muitos vieram de outros estados ou do interior e alugaram imóveis em Natal durante a formação. Agora, foram distribuídos provisoriamente para o interior, mas não sabem para onde vão definitivamente. Também não têm condição de sair à noite para Natal e voltar já no dia seguinte”, afirma o presidente da Associação, Roberto Campos.

Procurada pelo G1, a assessoria de comunicação do Comando da PM afirmou os soldados estão em período de estágio supervisionado e que a distribuição definitiva está sendo preparada para ser realizada em breve. A corporação informou que não iria comentar a situação de alojamento dos militares.

Em tese, como os militares não estão fazendo escalas de 24 horas, a Polícia Militar não precisa ceder alojamento. Entretanto, Roberto Campos afirma que a distribuição provisória foi feita “sem critérios”, tornando a situação mais complicada. De acordo com ele, militares que são de Natal e região metropolitana foram distribuídos para o interior e muitos do interior – que pelo menos poderiam ficar perto de suas cidades de origem, ficaram na capital.

“Os que alugaram casa em Natal durante o curso de formatura (que durou cerca de um ano) e ficaram na cidade não têm problema, conseguem ir para casa. Mas os que foram para o interior não têm condições de ficar pagando dois aluguéis. Não sabem se vão voltar para Natal amanhã, ou depois, ou se vão para outro local” diz.

Ainda de acordo com ele, diante da situação, alguns comandos cederam salas para os militares dormirem, mas não há camas e estrutura adequada. Também não há alimentação oferecida pela PM. Os militares são liberados do expediente para procurarem locais para refeição.

Roberto afirmou que a última previsão informada para a distribuição efetiva era do dia 15 de janeiro, o que não se concretizou. Ele não soube informar quantos militares estão nessa situação, mas afirmou que mais da metade dos mil soldados foi distribuída provisoriamente para o interior do estado.

Atualmente, o salário inicial de um soldado é de R$3.051,02. Há um plano de reajuste que prevê que até novembro de 2022 os vencimentos passem a ser de R$ 3.571,62.

G1RN

Governo Bolsonaro envia caminhões com oxigênio para Manaus

A capital amazonense passa por uma crise de falta do produto — Foto: © Ministério da Saúde

O Ministério da Infraestrutura informou hoje (24) que seis caminhões que saíram de Porto Velho com carregamento de oxigênio para Manaus concluíram a viagem. A capital amazonense passa por uma crise de falta do produto em razão do aumento no número de casos de Covid-19.

Segundo a pasta, cerca de 100 mil metros cúbicos (m³) de oxigênio foram transportados para Manaus. As carretas saíram na última quarta-feira (20) de Porto Velho e levaram mais de três dias para cruzar os quase 900 quilômetros do trecho da BR-319, única ligação rodoviária com a capital amazonense, mas que não é pavimentada e possui diversos trechos com atoleiros no período chuvoso.

A operação foi realizada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Ainda de acordo com ministério, a expectativa é que uma última carreta chegue a Manaus no final do dia.

“Na primeira etapa da operação para transportar 160 mil m³ de oxigênio para Manaus, os comboios percorreram o trajeto de 877 quilômetros e contaram com o apoio das equipes de manutenção do Dnit para atravessar trechos não pavimentados da BR-319”, informou o comunicado.

A pasta destacou que a rota emergencial foi criada em alternativa às balsas da hidrovia do Rio Madeira e do Rio Amazonas, reduzindo em dias a chegada do material à capital amazonense. Ao todo, sete carretas com oxigênio passaram pela BR-319.

Fonte: Agência Brasil

Ministério da Saúde diz que Pazuello se reuniu com Aras para tratar de ações emergenciais

 Foto: GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDO

O Ministério da Saúde informou neste domingo (24) que, na última quinta-feira (21), o ministro Eduardo Pazuello se reuniu com o procurador-geral da República, Augusto Aras, para tratar de ações emergenciais adotadas pela pasta para o enfrentamento do colapso na saúde de Manaus (AM).

Neste sábado (23), Aras pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura de inquérito para investigar a conduta de Pazuello no enfrentamento à crise na capital do Amazonas, onde unidades hospitalares sofreram desabastecimento de oxigênio nas últimas semanas.

Sobre o pedido de inquérito, o Ministério da Saúde diz aguardar a notificação oficial para se manifestar.

De acordo com nota do Ministério da Saúde, após a reunião de quinta-feira, Pazuello determinou às equipes técnica e jurídica da pasta que sistematizem informações solicitadas pela PGR e as medidas adotadas para o enfrentamento da situação em Manaus. “Para garantir transparência e manter a Procuradoria Geral da República atualizada”, diz a nota.

Aras pediu ao STF a abertura de inquérito após analisar representação do partido Cidadania, que alega que houve omissão do ministro e de seus auxiliares no caso, além de informações preliminares prestadas por Pazuello sobre a crise.

O partido diz que a pasta teria sido alertada com antecedência por uma fornecedora de oxigênio, mas permanecido inerte, não tendo adotado nenhuma medida que era obrigada a tomar. Para o procurador-geral da República, é preciso apurar formalmente a conduta do ministro.